Para Ericsson, Sauber se salvou de “desastre” em 2017

compartilhar
comentários
Para Ericsson, Sauber se salvou de “desastre” em 2017
Por: Ben Anderson
Co-autor: Matt Beer
Traduzido por: Gabriel Lima
31 de dez de 2017 13:12

Em ano marcado por troca na administração do time, sueco vê fim de temporada como promissor para 2018

Marcus Ericsson, Sauber C36
Marcus Ericsson, Sauber C36
Marcus Ericsson, Sauber C36
Marcus Ericsson, Sauber C36
Marcus Ericsson, Sauber C36
Marcus Ericsson, Sauber
Marcus Ericsson, Sauber
Marcus Ericsson and Charles Leclerc, Sauber

Utilizando o motor da Ferrari de 2016 em 2017, a Sauber viveu um ano complicado do lado da performance. O time teve que se concentrar em desenvolvimentos do chassi para ganhar desempenho, o que complicou a atuação da escuderia suíça.

A Sauber pontuou apenas duas vezes (com Pascal Wehrlein na Espanha e em Baku) e andou a maior parte do ano nas duas últimas posições. Marcus Ericsson, que passou o ano zerado, teve que se contentar com o mau desempenho.

"Para ser sincero, a equipe não teve muita escolha. Eles tiveram que ir com a unidade de potência antiga por diferentes razões", disse ele.

"Eu acho que eles estavam esperando que não fosse ser uma grande desvantagem, mas imediatamente quando ouvi a notícia de que a Sauber iria usar a antiga unidade de potência, sabia que não seria bom.”

"Todos puderam ver o que aconteceu com a Toro Rosso (usando motores Ferrari antigos em 2016), então não houve surpresa.”

"Você ainda deve tentar olhar de forma positiva e dizer que nos concentramos mais no lado do chassi, e nós fizemos isso. Mas com certeza foi uma grande desvantagem. Mas com isso em mente, estou bastante impressionado com a equipe e a fábrica e com a maneira como conseguimos manter o desenvolvimento.”

"Depois das férias de verão, realmente foi um desastre. Nós estávamos muito longe dos outros carros, mais de um segundo por volta.”

"Estava muito ruim e teria sido fácil para a equipe desistir completamente e pensar só no próximo ano. Mas eles ainda continuaram dando o máximo na fábrica, e continuaram desenvolvendo e trazendo novas coisas para a pista. E, na verdade, nos últimos três ou quatro fins de semana, estávamos bem novamente e ainda superamos pessoas.”

"Isso é ótimo e mostra que esse time tem muita qualidade na pista e na fábrica."

A Sauber sofreu mudanças na administração na última temporada, com Fred Vasseur assumindo o cargo de Monisha Kaltenborn como diretor da equipe em 2017.

Ericsson acredita que 2018 será o ano em que a Sauber começará a voltar a crescer.

"Eu acho que a Sauber tem algo de bom vindo, especialmente no próximo ano", disse ele. "Há muitas coisas que estão acontecendo na equipe neste ano.”

"Não vai mudar da noite para o dia. Todas as pessoas que vieram nesta temporada e vão entrar durante o inverno agora, vão marcar a diferença.”

"E também com Fred. Ele começou no meio deste ano e sempre demora algum tempo antes de poder conseguir a equipe do jeito que ele quer.”

"Acho que a Sauber como time tem um futuro muito bom, especialmente a partir do próximo ano. É um novo começo para o time. Definitivamente penso que a Sauber pode dar o passo e estar de volta ao meio do grid".

Próxima Fórmula 1 matéria
Hamilton: Reunião com Toto Wolff “reiniciou” relação

Previous article

Hamilton: Reunião com Toto Wolff “reiniciou” relação

Next article

Ocon: “Arriscava menos para terminar as corridas”

Ocon: “Arriscava menos para terminar as corridas”
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Marcus Ericsson
Equipes Sauber
Autor Ben Anderson
Tipo de matéria Últimas notícias