Para Viviane Senna, talento foi chave para contratação de Bruno

compartilhar
comentários
Para Viviane Senna, talento foi chave para contratação de Bruno
Por: Julianne Cerasoli
30 de jan de 2012 10:49

Mãe do piloto brasileiro revela ainda que preferia não conviver no ambiente da F-1: "corrida boa para mim é a que termina"

Viviane comemora vitória de Bruno em Mônaco na GP2

 

Acho que é um conjunto de fatores, e esse é um deles. Ninguém, mesmo com essas condições favoráveis, investiria num piloto se ele não tivesse performance. E ninguém chega à F-1 se não tiver performance.

Com muita aflição. É assim que Viviane Senna, mãe e Bruno e irmã de Ayrton, revela que sempre assistiu às corridas. Mesmo não gostando muito das corridas, a empresária diz não perder uma corrida do filho e acredita que a chance na Williams seja a primeira que Bruno tem para mostrar serviço de maneira convencional.

“Acredito que pela primeira vez ele vai ter condições mais normais de correr. Isso é difícil para as pessoas entenderem. É normal terem como referência uma carreira comum, o que o Bruno não teve, pois entrou com uma defasagem de uns dez anos [começou a correr aos 21]. Agora, ele precisa de tempo, um ou dois anos, para desenvolver o que é. O Ayrton levou anos para ser campeão”, afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo.

Falando sobre as dúvidas acerca das principais motivações para Bruno ter sido escolhido em detrimento a Adrian Sutil e Rubens Barrichello em sua nova equipe, Viviane afirmou que o dinheiro não valeria nada se o filho não demonstrasse talento.

“As pessoas perguntam se o que ele levou de patrocínio foi determinante, mas foi o oposto. A equipe sabia que tinha patrocínio e nem sequer perguntou quanto era, como era. O que o time queria saber era a capacidade do Bruno. Ele podia ter o patrocínio que fosse, mas, se não tivesse agradado, não estaria lá.”

Mesmo torcendo, Viviane demonstra um certo desconforto com sua segunda incursão na categoria. “A F-1 não é exatamente um ambiente que eu gostaria de frequentar. Só acompanho por causa do Bruno. Não é um esporte de que eu goste.”

Um dos motivos que lhe causa mais aflição é o fato da habilidade do piloto não garantir que tudo dará certo.

“É um sofrimento toda corrida, até o último minuto. A corrida boa para mim é a corrida que termina. O que é aflitivo em F-1 para mim é que você não é o único elemento definidor do resultado. É muito diferente quando as coisas dependem só de você e não de vários fatores que vão dos freios aos pneus, ao motor, à eletrônica. A equipe, a chuva, os outros pilotos...”

Próxima Fórmula 1 matéria
Barrichello deixa caminho aberto para um retorno à F-1

Previous article

Barrichello deixa caminho aberto para um retorno à F-1

Next article

Vergne estreia na Toro Rosso de olho em trajetória de Vettel

Vergne estreia na Toro Rosso de olho em trajetória de Vettel
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Bruno Senna
Autor Julianne Cerasoli
Tipo de matéria Últimas notícias