Paraíso fiscal, Mônaco é o GP caseiro de vários pilotos

Pelo menos seis pilotos do atual grid residem no Principado, que atrai por falta de impostos e clima agradável

O grid não tem nenhum piloto monegasco, mas são vários os pilotos que consideram o GP de Mônaco como uma de suas provas caseiras. Afinal, o ensolarado paraíso fiscal é tradicional moradia para muitos deles há décadas.

Nico Rosberg é um bom exemplo disso. Nasceu na Alemanha, com mãe alemã e pai finlandês, o campeão de 1984, Keke Rosberg, mas pode ser considerado um monegasco “da gema”. Criado no Principado, o piloto da Mercedes comemora a proximidade do circuito a sua casa. “É a única prova em que posso ir de scooter”, brinca.

As pequenas motos, inclusive, são o modo de transporte preferido dos pilotos durante os dias de GP, marcados por congestionamentos nos arredores da pista. Mas há também que chegue pelo mar, de lancha. A equipe Ferrari, por exemplo, costuma se hospedar em um barco cedido por um patrocinador. Kimi Raikkonen, que vive na Suíça, é outro que prefere o porto, costumeiramente ancorando seu próprio iate.

Além de Rosberg, outro que considera Mônaco sua segunda corrida caseira é Jenson Button, que também mora no Principado. “Mônaco está junto da Inglaterra e do Japão entre as corridas em que me sinto em casa”, disse o piloto da McLaren, cuja namorada é japonesa. Paul Di Resta, Felipe Massa e Pastor Maldonado são outros moradores do Principado.

Quem também se rendeu aos encantos do Principado foi Lewis Hamilton, que mudou-se de Genebra, na Suíça, para Mônaco. “É meu lugar preferido. O clima é sempre bom, é um lugar único. É bom para tudo: para treinar, para ir na praia, para comer, para ter qualidade de vida. E também é a melhor pista do mundo.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP de Monaco
Pilotos Jenson Button , Lewis Hamilton , Nico Rosberg
Tipo de artigo Últimas notícias