Pela primeira vez fora do Q3 neste ano, Force India joga fichas em ritmo de prova

Na Lotus, após quebrar durante o Q1, Maldonado recebe reprimenda da direção de prova; Veja o que os pilotos disseram

Quarta colocada no mundial de construtores, a Force India pela primeira vez no ano ficou fora de uma sessão do Q3. Hülk ficou há poucos décimos da vaga, mas se diz otimista por poder escolher o composto de pneu com qual irá largar amanhã.

Na Lotus, Pastor Maldonado, após problema mecânico durante o Q1, terá de largar em 17º com uma reprimenda da direção de prova, por não ter recolocado o volante em seu carro. Outro que não pôde treinar foi Esteban Gutiérrez, após bater no treino da manhã e danificar seu chassi.

Veja o que os pilotos de Force India, Lotus, Sauber, Marussia e Caterham disseram:

Nico Hülkenberg, Force India, 11º: "Eu estava perto de fazer o Top 10 - metade de um décimo teria feito a diferença, mas, pelo que vemos desde ontem, a classificação seria apertada. Dito isto, 11º é uma boa posição de partida. Ela nos dá alguma flexibilidade em termos de estratégia. Eu escolho meus pneus de largada, e estou me sentindo muito otimista com nosso ritmo de corrida. O pacote está muito perto em termos de desempenho, mas deve ser uma corrida interessante, porque é um circuito onde as ultrapassagens são possíveis e a história tem mostrado que qualquer coisa pode acontecer aqui."

Sergio Pérez, Force India, 13º: "Foi uma sessão de classificação complicada, e que acabou por ser um pouco mais difícil do que esperávamos. Vou começar de 13º, mas ainda estou me sentindo muito positivo para com nossas chances na corrida, porque esta é uma pista incomum onde você pode ultrapassar e tirar proveito de tudo o que acontece na corrida. Temos uma boa velocidade máxima, o que, certamente, será importante amanhã. Eu acho que nós já mostramos neste ano que o domingo é o que conta e estou confiante."

Romain Grosjean, Lotus, 14º: "Esperávamos dificuldades no Canadá, mas se você ignorar a posição no grid, estou muito otimista. Temos feito boas melhorias no carro e ele realmente está muito bom para dirigir. A classificação foi frustrante, já que acabamos perdendo a oportunidade de ganhar algumas posições com mais uma volta. A corrida parece que vai ser quente, e a degradação dos pneus poderá ser um aspecto interessante."

Pastor Maldonado, Lotus, 17º: "Nós tivemos um problema, o que me fez perder uma grande quantidade de energia na minha última volta rápida. Os engenheiros me pediram para parar o carro imediatamente o que foi uma pena, pois acho que teria terminado em uma posição para estar no Q2. Tudo pode acontecer na corrida, então vamos ver como vai ser. É uma corrida longa e não é uma pista particularmente fácil."

Adrian Sutil, Sauber, 16º: "Mais uma vez, esta não foi uma classificação fácil. No entanto, nós fomos ao Q2 desta vez, o que é um pequeno sucesso, embora o desempenho não tenha melhorado muito. Após a classificação estamos basicamente onde estávamos esta manhã.”

Esteban Gutiérrez, Sauber, 22º (não treinou após acidente no FP3): “Eu vim para a curva saindo um pouco de traseira, depois algo aconteceu e eu perdi o carro completamente. Temos que saber se isso aconteceu com o que eu fiz, ou se foi algo que eu já havia identificado anteriormente. Temos que analisar ainda o que causou o incidente. Gostaria de agradecer à equipe pelo grande trabalho.”

Max Chilton, Marussia, 18º: "Nós chegamos aqui depois de um grande resultado para a equipe em Mônaco, mas a expectativa era de ter um pouco mais de dificuldade em um circuito que nunca foi realmente adequado para o nosso carro em temporadas anteriores. Eu acho que todos nós ficamos um pouco surpresos agradavelmente, porque realmente sublinha quanto progresso que fizemos com o carro em todas as condições.”

Jules Bianchi, Marussia, 19º: "É uma forma decepcionante de terminar nossa classificação, porque depois dos problemas que tive ontem, estávamos bem no terceiro treino livre esta manhã. O carro parece muito bom aqui neste fim de semana, o que é bom de ver.”

Kamui Kobayashi, Caterham, 20º: "Na classificação fizemos duas tentativas de supermacio, mas a bandeira vermelha no final da sessão significou que não poderia melhorar meu tempo. Nós tínhamos feito progresso desde o treino da manhã, e o equilíbrio estava melhor, por isso, na minha última volta rápida eu consegui um décimo nas duas primeiras curvas, mas depois teve que abortar.”

Marcus Ericsson, Caterham, 21º: “Eu estava tendo problemas para aquecer os pneus em ambas tentativas, mas o desempenho melhorou um pouco a partir da sessão da manhã para que eu pudesse apertar um pouco mais. Infelizmente, na minha última volta rápida eu perdi a traseira do carro e entrei em contato com a parede.”
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias