Piloto de testes da Pirelli, Alguersuari prevê duas paradas em Cingapura

Pneus serão macio e super macio. Para Hembery, diretor da fábrica italiana, chance de Safety Car pede estratégia flexível

Alguersuari diz que Cingapura lembra Mônaco

Por ser disputada à noite e em um circuito de rua, Cingapura tem características únicas para os pneus. A umidade é alta e a evolução da pista é diferente da vista durante o dia, já que fica o tempo todo sob as luzes dos holofotes. Além disso, existe sempre a possibilidade da entrada de um Safety Car durante a prova. “As estratégias terão de ser flexíveis”, aconselha Paul Hembety, diretor da Pirelli.

“Desde 2008, sempre houve a entrada de Safety Car durante a prova e isso deve ser levado em conta no planejamento das estratégias. O desgaste de pneus não é alto, já que a velocidade média não é elevada, mas é bom lembrar que a prova do ano passado foi vencida por Vettel, que fez três paradas. E Hamilton chegou em quinto com quatro paradas e mais um drive trough”, completou Hembery.

Para o piloto de teste da Pirelli, Jaime Alguersuari, a escolha dos compostos macio e super macio para a corrida foi acertada. “Foi uma escolha muito boa, pois podemos tirar uma performance melhor deles, depois de algumas corridas com os duros. Cingapura é como Mônaco, mas mais divertido, pois há pontos de ultrapassagem. É uma pista muito desafiante para os pilotos em relação aos pneus, devido à alta umidade e, embora o desgaste não seja alto, acho que teremos duas paradas esse ano”, opinou o espanhol.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP de Cingapura
Pilotos Jaime Alguersuari
Tipo de artigo Últimas notícias