Pirelli exigiu testes de pista antes de renovar com a F1

compartilhar
comentários
Pirelli exigiu testes de pista antes de renovar com a F1
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
15 de out de 2015 15:48

Paul Hembery, diretor esportivo da fabricante italiana, disse que só entrou em acordo com Bernie Ecclestone após chefão da F1 garantir testes para desenvolvimento dos compostos

Pneus Pirelli
Pneus para Ferrari

Pouco antes da largada do GP da Rússia, Bernie Ecclestone afirmou que chegou a um acordo comercial com a Pirelli para o período de 2017 a 2019. Falta apenas a confirmação da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) para que a fabricante italiana seja decretada oficialmente como a vencedora na batalha com a Michelin.

A Pirelli no entanto, fez algumas exigências antes de fechar o acordo com Ecclestone. A principal delas foi a garantia de que poderá efetuar testes para desenvolver os compostos.

Paul Hembery, diretor da Pirelli, destacou que esta foi a contrapartida exigida pela fabricante de pneus para desembolsar o valor desejado pelo chefão da F1.

“É uma quantia monumental, não é algo que qualquer empresa pode fazer. É necessário, então, entender cada detalhe do acerto. Exigimos algumas garantias, como a de testar em pista – o que nos dará condições de fazer nosso trabalho”, disse.

Isso já nos foi garantido, ainda que não tenhamos a confirmação das regras para 2017. Então não sabemos se testaremos os pneus mais largos em um carro atual que será modificado ou se precisaremos de um carro novo. Há algumas perguntas sem respostas ainda, mas os testes estão confirmados e eles entenderam que precisamos dos pilotos testando e nos dando opiniões”, afirmou.

Oficialização do acordo é mera formalidade

Apesar de Ecclestone dar a renovação do acordo como certa, Hembery ressaltou que o contrato só será considerado oficial quando for aprovado pelo Conselho Mundial da FIA. O dirigente crê, entretanto, que a confirmação é uma mera formalidade.

"Ainda há uma formalidade no processo, que deve passar pela FIA e depois pelo Conselho Mundial. É a parte final do ciclo, mas é uma formalidade, já que eles nos deram a aprovação técnica anteriormente”, completou.

Next article
Jornal: Tratamento de Schumacher custa R$ 590 mil por semana

Previous article

Jornal: Tratamento de Schumacher custa R$ 590 mil por semana

Next article

Nova exposição sobre Senna reúne trabalho de 20 anos

Nova exposição sobre Senna reúne trabalho de 20 anos
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias