Pirelli: falta de velocidade é culpada por GPs de uma parada

Fábrica italiana afirma que esperava mais performance dos carros com base em dados da pré-temporada.

Mesmo com as escolhas dos pneus macio e supermacio para as duas últimas provas, em Mônaco e no Canadá, nenhum piloto precisou fazer mais de uma parada tática para completar as provas. Para Pirelli, a culpada disso é a falta de performance nos carros.

"As equipes estão ficando mais voltas com os pneus porque os níveis de degradação estão menores que em temporadas anteriores", disse Hembery ao Motorsport.com.

"Isso significa que estamos vendo um pitstop a menos do que nós realmente gostaríamos. Obviamente nos é solicitado um pneu que proporcione de duas a três paradas, e, ao longo das últimas corridas, temos visto que uma parada é a estratégia mais provável. Isso é algo que precisamos olhar para o próximo ano."

"Nós não queremos mudar nada durante a temporada, porque as equipes já desenvolveram seus carros em cima dos pneus. Seria errado. Infelizmente, cinco voltas é a diferença que marca uma para duas paradas e duas para três paradas. Esta é a margem fina com a qual estamos lidando, porque é quase impossível testar hoje em dia."

Falta de velocidade é a culpada

Para Hembery, uma das principais razões para corridas de uma parada é que o desempenho dos carros não avançou tanto quanto a Pirelli havia previsto.

"Nós provavelmente estávamos aguardado mais desempenho do que tivemos realmente", disse ele.

"Vimos melhorias significativas de ritmo em Melbourne, só que de repente nos encontramos de volta nos mesmos níveis do ano passado. Isso em si é uma surpresa para nós pelo que estávamos vendo no início e isso teve um grande impacto em coisas como o desgaste e degradação."

“Vamos ver para onde vamos até o final temporada, mas isso certamente nos deu uma indicação do que o que precisamos fazer para o próximo ano."

Aumentar a escolha de pneus

A Pirelli está em negociações com as equipes para tentar encontrar uma forma de variar as escolhas de pneus em corridas em 2016.

Embora a Pirelli esteja relutante em dar às equipes liberdade total, Hembery sugeriu que uma solução pudesse ser a escolha aberta em apenas alguns eventos.

"Acho que externamente existirão sempre quatro compostos para não confundirmos as pessoas", disse ele.

"Mas talvez você possa ter diferentes versões dos principais compostos de modo que você possa talvez afiná-los para um evento em si."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias
Tags pirelli