Por vitória, chefe diz que teria deixado Ricciardo quebrar

compartilhar
comentários
Por vitória, chefe diz que teria deixado Ricciardo quebrar
Scott Mitchell
Por: Scott Mitchell
Co-autor: Edd Straw
28 de mai de 2018 12:03

Christian Horner fala que chegou a conversar sobre um abandono, mas que decisão foi arriscar e deixar o carro na pista

Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB14 takes celebrates on the podium with the trophy
Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB14 takes the chequered flag
Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB14 takes celebrates on the podium with the trophy
Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB14 takes celebrates on the podium with the trophy
Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB14 celebrates
Podium: Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing, celebrates victory
Daniel Ricciardo, Red Bull Racing, is congratulated by Helmut Markko, Consultant, Red Bull Racing

Chefe da Red Bull, Christian Horner se recusou a deixar que a equipe retirasse o carro de Daniel Ricciardo da liderança do GP de Mônaco, mesmo que isso significasse uma falha de seu motor.

Um problema de MGU-K no início da corrida significou a perda de 120kW (aproximadamente 160 hp) de potência na unidade. Com isso, Ricciardo foi forçado a gerenciar as temperaturas extremas de seu freio traseiro e evitar o uso da sétima e da oitava marcha.

"Ele relatou uma súbita perda de potência, e os nossos engenheiros de motor puderam ver pelos dados que o MGU-K havia parado completamente", disse Horner.

"Nesse ponto, houve conversas sobre um abandono. Com o potencial dano ao MGU-K, isso poderia chegar ao motor de combustão e então é uma carga de outros problemas.”

"Minha posição era 'estamos liderando o GP de Mônaco, vamos correr até que este motor pare'".

O MGU-K colhe energia das frenagens e é fundamental para o desempenho de todo o pacote do ERS. Perder esta ajuda coloca mais pressão nos freios traseiros, e Horner revelou que as temperaturas dos freios traseiros aumentaram tanto após a falha do MGU-K que eles "não estavam muito longe de pegar fogo".

Para combater isso, Ricciardo mudou o balanço de freios de sua Red Bull para a frente em "6% ou 7%", três vezes mais do que poderia ser deslocado durante uma corrida normal.

"Houve três voltas em que ele se esforçou muito nas curvas porque estava nervoso sobre o quão lento estava no final das retas", disse Horner.

"Nós apenas o deixamos em paz por algumas voltas para encontrar um ritmo. Ele tem todas as temperaturas de freio e avisos no painel, então ele estava apenas tentando controlar isso."

"Você pôde ouvir que ele estava pedindo muitas informações sobre os pneus de Max, como eles estavam. Ele perguntou também sobre Nico Hulkenberg, até onde seus pneus chegaram no primeiro stint.”

"Ele também teve a capacidade de pensar sobre a imagem global."

Ricciardo liderou todas as sessões de treinos e segmentos da qualificação antes da corrida. Horner disse que ele esteve "tão focado" durante sua dominação que "não havia como deixar essa vitória escapar".

"Era importante para ele manter a calma, manter a posição na pista, não matar os pneus, não acabar com os freios, não acabar com o motor e levar o carro para casa", disse Horner.

"Mônaco é especial para qualquer piloto, mas isso deu mais ênfase a essa corrida por causa da decepção de dois anos atrás, quando um pit stop ruim custou a vitória a Ricciardo.”

"Foi ótimo que ele foi capaz de compensar isso." 

Next article
Projetista chefe, Resta deixa Ferrari e se junta à Sauber

Previous article

Projetista chefe, Resta deixa Ferrari e se junta à Sauber

Next article

Leclerc: Toro Rosso “jogou” com Hartley na estratégia

Leclerc: Toro Rosso “jogou” com Hartley na estratégia
Load comments