Presidente rebate Nasr e Massa e aponta ‘overdose’ de Fórmula na base

compartilhar
comentários
Presidente rebate Nasr e Massa e aponta ‘overdose’ de Fórmula na base
Por: José Edgar de Matos
9 de nov de 2014 00:59

Cleyton Pinteiro defende a atual base do automobilismo brasileiro: desde o kart até ao nível Fórmula

Massa e Nasr (foto) foram taxativos em relação às críticas ao automobilismo nacional
A chegada de Felipe Nasr à Fórmula 1, após acordo firmado para guiar uma Sauber no ano que vem, ratificou um fato corriqueiro nos últimos anos: o sucesso de brasileiros que se aventuram fora do país para construir uma carreira significativa no automobilismo mundial. O novo brasileiro na categoria e Felipe Massa foram taxativos nesta questão, criticando a categoria de base realizada no Brasil.
 
[publicidade]Se os dois representantes do país na categoria mais popular da modalidade reclamam, a Confederação Brasileira de Automobilismo trata-se de responder. Neste sábado, no Autódromo de Interlagos, o presidente da entidade, Cleyton Pinteiro, negou a falta de oportunidades para os jovens pilotos se aventurarem no sonho de chegar à F1.
 
“Agora estão tendo chances. Tem a Fórmula Brasil, a Fórmula 3 e deverá ter a Fórmula 4. Estamos com uma ‘overdose’ de Fórmula. Ainda provavelmente teremos mais uma categoria, mas não posso falar mais por questões contratuais. Não é por falta de provas de Fórmula que você não corre agora no Brasil”, sentenciou o dirigente.
 
“Atualmente, não há lugar no mundo em que você corra tão barato do que no Brasil. Não há lugar no mundo que você consiga correr numa Fórmula 3 com ‘só’ R$ 190 mil”, reforçou Pinteiro, dono de uma opinião totalmente diferente ao dos representantes brasileiros na F1.
 
Festejado por dirigentes, personalidades e ex-pilotos pelo acordo com a Sauber, Felipe Nasr foi categórico ao destacar a importância da ‘criação internacional’ na carreira construída até chegar à Fórmula 1. “Eu saí do Brasil com 16 anos. O automobilismo brasileiro, no sentindo da Fórmula 1, não tem uma formação legal. Optei por outro caminho, infelizmente tive que sair do país.”
 
Assim como o novato, Felipe Massa, que passou todo o ano ao lado de Nasr – antes de firmar a ida para a Sauber, o brasiliense passou esta temporada como piloto de testes da Williams -, também vociferou contra o desenvolvimento de novos pilotos no Brasil.
 
“Já faz algum tempo que não acontece nada, e o Felipe (Nasr) era a última possibilidade em um futuro próximo. Fico feliz que ele entrou e desejo o melhor para a carreira dele. O automobilismo brasileiro tem que mudar e evoluir, já que está muito, muito, muito atrás do que deveria estar”, declarou Massa nesta semana em Interlagos.
 
Enquanto os pilotos apontaram o atraso na base, o presidente procurou apresentar argumentos para rebater Nasr e Massa. “Todos os anos estamos batendo recorde de inscrições no Brasileiro de kart. No final de fevereiro, a FIA concedeu o direito de o Brasil receber o FIA Academy de kart. Isso fortalece a base, o kart está bem e melhorará ainda mais”, encerrou.
Próxima Fórmula 1 matéria
Cidade de 30 mil habitantes vira alternativa para autódromo no Rio de Janeiro

Previous article

Cidade de 30 mil habitantes vira alternativa para autódromo no Rio de Janeiro

Next article

Por salvação na Fórmula 1, equipes em crise se reúnem em Interlagos

Por salvação na Fórmula 1, equipes em crise se reúnem em Interlagos
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor José Edgar de Matos
Tipo de matéria Últimas notícias