Primeiro-ministro da Itália avisa Ecclestone: “tire as mãos de Monza”

Com crescentes ameaças de chefe da Fórmula 1 sobre futuro do GP da Itália, Matteo Renzi pede transparência política

Com o futuro cada vez mais nebuloso, o GP da Itália será disputado em 2015 com um de seus principais assuntos sendo as contínuas ameaças do chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, à sequência da tradicional corrida.

Desta vez, quem se manifestou foi o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, que fez ataques duros ao inglês.

"A Fórmula 1 prospera não só com dinheiro, mas também com símbolos", disse Renzi, que deve assistir à corrida da pista no domingo, à rádio RTL 102.5.

"Vamos dizer claramente: 'Bernie Ecclestone, tire suas mãos do GP de Monza'".

Por ora, Ecclestone continua segurando as taxas altas para Monza. Ele não descarta que a pista seja substituída no futuro.

"Para 2016, o GP está preso em Monza, mas não para o futuro", falou Bernie ao jornal Corriere della Sera.

Ele rejeitou a notícia de que milhares de pessoas tenham assinado petições, insistindo que "coletar assinaturas é fácil."

"Eles têm de assinar o contrato", disse Ecclestone. "Estou feliz de fazer as coisas se as pessoas em Monza quiserem também. Durante anos, os comandantes do Autodromo fizeram o que queriam. Esse modelo não funciona mais. O mundo mudou."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP da Itália
Pista Monza
Tipo de artigo Últimas notícias