Receita da F1 diminui em R$ 100 milhões

compartilhar
comentários
Receita da F1 diminui em R$ 100 milhões
Adam Cooper
Por: Adam Cooper
Traduzido por: Daniel Betting
8 de ago de 2018 18:32

Verbas da categoria caíram novamente no segundo trimestre de 2018 em comparação com o ano anterior

A receita total do Grupo F1 caiu 5% entre abril e junho em relação ao mesmo período do ano passado, de 531 milhões de euros para 507 milhões. A parte que cada uma das dez equipes recebe foi reduzida em 7%, passando de 284 milhões de euros para 264 milhões, ou seja, 20 milhões a menos durante o trimestre. As receitas das operações da F1 passaram de 38 milhões para 12 milhões, 69% menos.

O número de corridas realizadas no trimestre de 2017 foi o mesmo de 2018, sete. No entanto, a Liberty Media diz que uma das razões para a queda na receita é que no ano passado a participação durante o trimestre de direitos audiovisuais representou uma quota de 7 para 20, enquanto neste ano, com uma corrida a mais, é de 7 para 21.

Além disso, durante o segundo trimestre do ano passado, mais uma corrida foi incluída para que o deslocamento fosse feito de avião, a Rússia, e esses eventos são geralmente mais caros do que os acessados por estradas. No entanto, isso foi "parcialmente compensado pelo aumento nas taxas dos contratos subjacentes".

Leia também:

A Liberty disse que as receitas se viram impulsionadas por uma mudança na forma como são registradas as dos parceiros e fornecedores oficiais.

Ela também observou que "esses elementos das taxas foram rateados ao longo do calendário, mas a maioria é reconhecida uniformemente ao longo do ano e outros em um número específico de eventos". Essa mudança impulsionou as receitas de publicidade e patrocínio no segundo trimestre de 2018, mas o resultado será neutro no total do ano".

As vendas das peças para a nova geração de carros da F2 também significaram um aumento nas receitas.

Liberdade também indicou que "a relação entre renda-despesa diminuiu ligeiramente, graças ao pagamentos às equipes que foi reduzido durante a temporada, parcialmente compensado pelo aumento dos custos relacionados com o fornecimento de componentes para as equipes da F2 , aumento de atividades para incorporar seguidores, fretes, atividades técnicas e mídia digital".

"As vendas, gerais e administrativas, aumentaram principalmente como resultado do aumento nos custos de marketing e pesquisa e nas variações cambiais."

A F1 também pagou 107 milhões de dívidas: "A dívida total atribuída ao Grupo de Fórmula 1 diminuiu em 305 milhões durante o trimestre, principalmente como resultado da amortização da dívida. Durante o segundo trimestre, foram pagos 107 milhões de sua linha de crédito rotativo."

Resumindo, o chefe da F1, Chase Carey, disse que a extensão do contrato do GP da Bélgica e a assinatura de um novo acordo com a Amazon Web Services estavam entre os destaques do período.

"O retorno à França no circuito de Paul Ricard, pela primeira vez desde 1990, foi um sucesso e organizamos nosso segundo festival para os fãs em 2018", disse Carey.

"Fizemos progressos em muitas frentes quando alcançamos um acordo global de patrocínio com a AWS, renovamos os contratos globais de patrocínio, renovamos com o GP da Bélgica e continuamos a expandir nossas ofertas de conteúdo digital".

 

Next article
Balanço de meio de temporada: McLaren e a crise de 2018

Previous article

Balanço de meio de temporada: McLaren e a crise de 2018

Next article

Sauber planeja grande expansão na equipe

Sauber planeja grande expansão na equipe
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper