Red Bull: Mais 50 cv teriam mudado nossa temporada

compartilhar
comentários
Red Bull: Mais 50 cv teriam mudado nossa temporada
Scott Mitchell
Por: Scott Mitchell
30 de nov de 2018 11:43

Chefe da equipe diz que Honda tem apresentado mais evolução do que Renault e declara otimismo para 2019

Chefe da Red Bull, Christian Horner acredita que a temporada de 2018 da poderia ter sido "bem diferente" se seus carros tivessem 50 cavalos de potência a mais.

Max Verstappen e Daniel Ricciardo venceram duas corridas cada um em 2018, e Verstappen marcou mais pontos do que qualquer um exceto o campeão mundial Lewis Hamilton após as férias de verão e poderia ter conquistado vitórias seguidas no México e no Brasil.

A Red Bull vai mudar para os motores Honda no ano que vem em busca de potência e de confiabilidade para lutar pelo campeonato mundial pela primeira vez na era V6 turbo-híbrida.

Questionado pelo Motorsport.com o quanto a Red Bull precisa da Honda para ter sua forma do final de 2018 na próxima temporada, Horner disse: "é sempre fácil dizer ‘se, mas e talvez, mas se tivéssemos mais 40kw [aproximadamente 53cv] no carro, a temporada poderia ter sido bem diferente”.

"Tiremos o chapéu para todos em Milton Keynes por produzirem um dos nossos melhores chassis da história. Quando você olha para os outros que usam o mesmo motor [a equipe de fábrica da Renault e a McLaren], há um mundo de diferença."

A Red Bull usou o motor de última geração da Renault nas últimas corridas da temporada, mas ainda afirmou que o motor de última geração da Honda, introduzido nos últimos GPs da temporada, havia levantado o fabricante japonês na hierarquia da F1.

Perguntado sobre o que aconteceria se a temporada de 2019 começasse com os quatro fabricantes de motores - Mercedes, Ferrari, Renault e Honda - no nível de desempenho que terminaram em 2018, Horner respondeu: "nós certamente estaríamos muito mais próximos”.

"O que vemos e ouvimos chegando. Pedaços de papel são uma coisa, o cronômetro nunca mente."

A Honda terminou a temporada em baixa, com Pierre Gasly – que passará da Toro Rosso para a Red Bull no ano que vem – sofrendo problemas mecânicos na classificação e na corrida.

O abandono de Gasly foi causado por um vazamento de óleo, mas foi o primeiro abandono causado por um motor desde a abertura da temporada na Austrália, que provavelmente ter foi ocasionado pela Honda ter andado com um MGU-H de 2017.

Brendon Hartley abandonou no GP da Grã-Bretanha depois que uma rápida reconstrução de seu carro não foi concluída a tempo. Com isso, a Honda detectou uma anomalia nos dados na única volta que deu.

Horner disse que não estava preocupado com os problemas da Honda em Abu Dhabi porque "a trajetória está indo no caminho certo".

Ele sugeriu que os múltiplos contratempos que a Red Bull sofreu com a Renault significam que a Honda não precisa de confiabilidade perfeita para ser uma melhoria.

"Confiabilidade não é algo que tivemos", disse ele. "Tivemos 11 ou 12 abandonos neste ano".

"Esse é o nosso maior calcanhar de Aquiles. Se conseguirmos ter a potência e a confiabilidade das equipes grandes... Lewis Hamilton teve um abandono neste ano, da mesma forma Sebastian Vettel. Essa é a média que temos que alcançar."

Pierre Gasly, Scuderia Toro Rosso STR13

Pierre Gasly, Scuderia Toro Rosso STR13

Photo by: Sam Bloxham / LAT Images

Next article
Vettel: Não estava no meu melhor em 2018

Previous article

Vettel: Não estava no meu melhor em 2018

Next article

Albon: Quase desisti da carreira após saída da Red Bull em 2012

Albon: Quase desisti da carreira após saída da Red Bull em 2012
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Red Bull Racing Shop Now
Autor Scott Mitchell