Regras de 2017 não farão F1 ser competitiva, diz engenheiro

30,962 visualizações

Diretor técnico da Williams, Pat Symonds não acredita que grid estará próximo e nem que carros serão cinco segundos mais rápidos

Para o diretor técnico da equipe Williams, Pat Symonds, a Fórmula 1 não deverá alcançar seu alvo de ser cinco segundos mais rápida por volta. Na verdade, ele diz que os carros deverão se comportar de forma bastante parecida no próximo ano.

"Os pilotos já dirigiram carros como estes antes, não é nada que não tenhamos tido entre 2004 e 2005", disse Symonds.

"Para dar um exemplo, uma curva normal a 200 km/h vai aumentar de 30 a 35 km/h. Isso acrescenta um G. Vai ser um pouco mais físico, mas isso não é muito mais eu acho.”

"O desempenho está ficando mais parecido com os carros de meados dos anos 2000, mas não chegou lá. Você se lembra que o alvo era de cinco segundos mais rápido por volta? Não tenho certeza que vamos conseguir isso.”

"Temos o grande ponto de interrogação nos pneus, é claro. Nós realmente não sabemos onde estamos. Estamos fazendo alguns pressupostos razoáveis ​​com os pneus. Eu acho que vamos ficar na marca dos quatro segundos.”

"Em lugares como Barcelona, ​​onde este tipo de carro será bastante efetivo, será mais do que isso. Mas em alguns lugares como Monza, onde você não usa tanto downforce, não acho que vamos ver muita diferença no tempo de volta."

Symonds diz que o progresso na fabricação dos carros de 2017 foi parcialmente limitado pelo fato de que as equipes só conseguiram os pneus para os testes no túnel de vento em fevereiro deste ano, o que restringiu o tempo de desenvolvimento.

"Nós só tivemos os pneus para o túnel de vento no final de fevereiro, por isso tem sido um período de desenvolvimento muito curto em relação aos carros de 2009. Acho que trabalhamos nos carros de 2009 muito mais tempo.”

"Além disso, a grande diferença em 2009 foi que estávamos em túneis de vento o tempo todo. Agora cada equipe faz 65 execuções por semana. Isso torna as coisas um pouco diferentes de 2009. Isso também significa que, se alguém fez um avanço, é mais difícil de alcançar."

Embora existam esperanças de que a revisão aerodinâmica de 2017 abalará a ordem na F1, Symonds diz que qualquer pessoa que crê que o grid estará mais próximo no ano que vem será decepcionada.

"A última mudança razoável que tivemos entre 2013 e 2014 na Williams foi boa para nós. Nós e alguns outros times estávamos tendo dificuldades. Então isso mudou a ordem, mas não fez as equipes ficarem mais próximas. O tempo fará isso.”

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Williams
Tipo de artigo Últimas notícias