Relembre último caso de piloto processando equipe para correr na F-1

compartilhar
comentários
Relembre último caso de piloto processando equipe para correr na F-1
Por: Gabriel Lima
11 de mar de 2015 08:09

Há 24 anos o italiano Alex Caffi recorreu à justiça para ter o direito de terminar a temporada pela Footwork

O fato de Giedo van der Garde recorrer à justiça para tentar correr o GP da Austrália e futuramente - por que não - o resto da temporada 2015, é quase sem precedentes na história da Fórmula 1. Por enquanto o impasse continua, e não se sabe oficialmente se o holandês corre o GP de abertura da temporada ou a dupla primeiramente anunciada pelo time, composta pelo brasileiro Felipe Nasr e o sueco Marcus Ericsson.

[publicidade]Não é a primeira vez na história da F-1 que um piloto aciona a justiça para poder correr. Em 1991, o piloto italiano Alex Caffi teve de recorrer a estes meios para terminar a temporada pela Footwork.

Depois de não se classificar para as primeiras três corridas do ano com o ineficiente e novo motor Porsche V12, Caffi tentava entrar no grid do GP de Mônaco, quarta etapa de 1991. Foi quando, no treino livre de sábado de manhã, ele errou a primeira perna dos “S’s da Piscina”. De tão forte, o acidente fez com que o carro rachasse ao meio e o piloto tivesse uma concussão.



Apesar de a batida ter tirado o italiano da prova (Alex diz que não se lembra do ocorrido apesar de ter saído do carro andando), o acidente que o tiraria das corridas seguintes aconteceria nos dias seguintes. Caffi acabou quebrando sua mandíbula em um acidente de rua e foi substituído pelo sueco Stefan Johansson nas corridas seguintes. Stefan se classificou para o GP do Canadá, corrida seguinte a Monte Carlo.

Quando estava apto para voltar, o italiano foi impedido pela equipe de correr em favor de Johansson. A Footwork estava mais satisfeita com o trabalho do sueco. Caffi, com contrato vigente, entrou na justiça e ganhou o direito de competir durante o resto da temporada no segundo carro do time, no qual era companheiro de Michelle Alboreto.

Apesar disso, o italiano pouco pôde fazer. Depois de o time desistir do motor Porsche após o GP da França, retornando ao Ford Cosworth V8, Alex só conseguiu se classificar para as duas últimas corridas do ano, no Japão e na Austrália.
Próxima Fórmula 1 matéria
Seis perguntas a serem respondidas no GP da Austrália

Previous article

Seis perguntas a serem respondidas no GP da Austrália

Next article

"Não podemos colocar um piloto despreparado em um carro adaptado para outros atletas", contesta Sauber

"Não podemos colocar um piloto despreparado em um carro adaptado para outros atletas", contesta Sauber
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Gabriel Lima
Tipo de matéria Últimas notícias