Renault admite ter sido “agressiva demais” em 2017

Fabricante francesa diz que aprendeu com erros deste ano e garante trabalho intenso na melhora da confiabilidade para 2018

A Renault revelou ter aprendido lições com a temporada de 2017 da F1, período no qual admitiu ter sido “agressiva demais” na abordagem de seus motores.

A fornecedora francesa enfrentou diversos problemas de confiabilidade ao longo do ano, sendo que suas equipes (Red Bull, Toro Rosso e a própria Renault) não conseguiram fazer frente em tempo integral aos times de Mercedes e Ferrari.

Cyril Abiteboul, diretor esportivo da Renault, disse ter detectado os erros da fabricante neste ano a fim de corrigi-los para 2018.

“A primeira coisa será a confiabilidade, porque vimos nesta temporada que você precisa caminhar antes de começar a correr. Acho que, em muitas ocasiões, fomos agressivos demais na forma que tentamos trazer performance e potência extra tão rapidamente”, disse, segundo o site da emissora ESPN.

“Então, acho que precisamos ir passo a passo: primeiro ser confiável, acumular quilometragem o máximo possível durante os testes. Entendo, falando da Red Bull, que eles mudaram sua filosofia e planejam o desenvolvimento de seu carro, mas se o motor não for confiável, será inútil.”

“então, precisamos conseguir isso. E, se tivermos isso, fico extremamente confortável e confiante de que teremos as peças necessárias para dar os passos e alcançar a Mercedes.”

Em 2018, além de sua equipe própria, a Renault também fornecerá motores a Red Bull e McLaren.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias