Renault conta com novo ERS para 2017

Equipe vai lançar sistema de recuperação de energia de segunda geração, como parte da revisão de sua unidade de potência

A Renault está trabalhando em uma mudança radical na unidade de seu carro para 2017, depois de sentir que o motor que usou nos últimos três anos tinha chegado ao limite de seu potencial de desenvolvimento.

Falando apenas algumas semanas antes dos testes de pré-temporada em Barcelona, o diretor Cyril Abiteboul ofereceu alguns detalhes sobre o que está vindo para a próxima temporada.

"Este ano queremos confirmar a reviravolta do nosso motor", disse ele. "O ano passado foi realmente fantástico e precisamos confirmar isso."

"Vamos ter uma arquitetura totalmente nova do motor a combustão, e também introduzir pela primeira vez a segunda geração do Sistema de Recuperação de Energia (ERS)."

Cooperação da Infiniti

As mudanças vêm no contexto de um relacionamento mais íntimo com Infiniti, que tem colocado seus engenheiros para ajudar no trabalho na transferência de tecnologia desde o ano passado.

Isso significa que a Renault vem conseguindo se afastar da terceirização de seus sistemas. O resultado final é que o progresso está sendo mais rápido e há mais controle sobre o produto final.

A Infiniti tinha sido previamente envolvida com a Red Bull, mas sua mudança para a Renault significou uma mudança de sua aproximação na F1.

"Francamente, é o início do nosso relacionamento. No ano passado foi feito um pouco até certo ponto, embora a Infiniti já estivesse preparada, porque alguns dos que vieram estavam na Red Bull."

"Mas estamos construindo blocos, que espero que sejam bases saudáveis para os próximos cinco ou 10 anos, que é a extensão do tempo que temos para pensar em qualquer envolvimento na F1."

Embora o desempenho do ERS não tenha sido um problema, Abiteboul ainda acha que há uma ganhos que podem ser encontrados.

"Há uma boa quantidade de aspectos que temos que considerar, como o peso, embalagens, requisitos de refrigeração, mais a intensidade da corrente que você pode usar em certas condições, em particular as condições climáticas."

"Há certas coisas que parecem secundárias, mas na F1 nada é secundário. Depois de chegar ao topo, você ainda precisa pensar sobre esses elementos extras, se você quiser chegar ao topo como equipe."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Renault F1 Team
Tipo de artigo Últimas notícias
Tags cyril abiteboul