Renault não teme ser superada pela McLaren em 2018

Equipe francesa insiste que não está "com medo" de ser batida pela McLaren, que passará a usar seus motores em 2018

Com a McLaren tendo perdido a fé na Honda após três anos de dificuldades, um acordo foi alcançado e a Toro Rosso trocou parceiros de motores para 2018.

O diretor-geral da Renault, Cyril Abiteboul, admitiu que o movimento da McLaren provocou algumas preocupações no fabricante de automóveis francês sobre potencialmente entregar a um rival forte a oportunidade de ultrapassá-lo em 2018.

Mas ele diz que conseguiu conquistar os céticos, explicando que o movimento foi o melhor para a equipe de trabalho da Renault.

"Havia algumas preocupações, então era importante explicar também a todos, incluindo internamente e Enstone, que a filosofia não está mudando", disse Abiteboul em uma entrevista exclusiva ao Motorsport.com.

"Não estamos dando as costas ao fato de que o único objetivo do nosso programa de F1 é posicionar a equipe de fábrica da Renault no mais alto nível”.

"Precisamos pensar em estratégia, precisamos pensar em táticas, e não é segredo que aceitar apoiar uma ‘dança das cadeiras’ nos motores criou mais opções - incluindo a opção em Carlos Sainz, que não estaria disponível de outra forma”.

"O meu estilo de gestão é ser inclusivo, então eu tendo a compartilhar com o grupo de gerenciamento em Enstone e Viry o que fazemos e por que estamos fazendo isso”.

"Agora, acho que todos estão a bordo do por que estamos fazendo isso, e não temos medo da McLaren. Porém, se quisermos manter nosso plano e lidar com as ambições que são apresentadas, temos que ser capazes de bater todos”.

"Além disso, estamos trabalhando e mudando clientes, e mudar a maneira como estamos trabalhando, o que é bom".

Sem dores de cabeça

Embora inflexível que se alinhar com a McLaren em 2018 é uma coisa boa para o time, Abiteboul admite que havia certas condições que deveriam ser cumpridas antes que o acordo pudesse continuar.

"Não estávamos desesperados e não queremos dor de cabeça com nossas atividades de motores de clientes", disse Abiteboul.

"Queremos trabalhar com equipes que são profissionais, que são leais, e temos uma longa relação com a Red Bull e um pouco de ida e volta com Toro Rosso. É um relacionamento que teve seus altos e baixos, mas está funcionando - e é por isso que não estávamos desesperados para quebrar esse relacionamento”.

"Nós apenas decidimos entreter uma mudança de cliente - porque primeiro não deveria ser à custa do projeto técnico. Então, não queríamos mais do que os clientes atuais: não mais de três equipes no total usando os motores Renault. Tinha que ser uma troca”.

"E nós só queríamos fazer isso sob certas condições - em particular as condições econômicas. Além disso, também tinha que servir a uma estratégia, posicionar a equipe de trabalho da Renault no mais alto nível. Quando tudo isso estivesse alinhado, era um acordo bastante direto realizar."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes McLaren , Renault F1 Team
Tipo de artigo Últimas notícias