Renault: Times “satélites” são problema real para F1

compartilhar
comentários
Renault: Times “satélites” são problema real para F1
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
11 de set de 2018 20:13

Time francês teme que categoria não dê margem para crescimento de equipes privadas com novo modelo de negócio

A Fórmula 1 enfrentará um "problema real" de apenas alguns fabricantes conseguirem competir por vitórias se o esporte não agir rapidamente para impedir o uso de "equipes escravas", diz o diretor técnico da Renault, Nick Chester.

A movimentação em direção a um teto orçamentário na F1 a partir de 2021 levou a preocupações de que equipes maiores contornem suas restrições de gastos com a colaboração com equipes menores.

Ajudaria o fabricante a garantir que seu desempenho pudesse progredir com os gastos sendo feitos pela equipe menor.

A FIA já prometeu agir sobre o assunto, e para Chester está claro que a situação precisa ser levada muito a sério se a F1 quiser manter um grid competitivo.

"Acho que é um problema real se esse modelo continuar no limite orçamentário", disse Chester, quando questionado pelo Motorsport.com sobre suas opiniões sobre colaborações entre equipes. "Não consigo ver como uma equipe pode lutar na frente sem ter uma ou duas equipes satélite”.

"Eu acho que é algo realmente importante que a FIA e a Fórmula 1 precisam olhar. Se esse modelo não puder ser efetivamente eliminado, será um grande problema e você vai acabar onde você tem que ser um fabricante com duas equipes satélite, ou você não pensa em ganhar. Então, eu acho que tem muitas implicações daqui para frente."

O diretor de prova da F1, Charlie Whiting, disse no GP da Itália que a FIA havia sido alertada sobre os temores das equipes satélites, e estaria investigando o que pode ser feito.

"É algo que devemos nos preocupar, e é algo que vamos discutir", disse Whiting. "A relação Haas/Ferrari começou isso”.

"Nós sabíamos exatamente como isso era possível no começo, e havia uma brecha que foi fechada para novos participantes. Mas o tipo de coisas que estamos ouvindo são alianças entre equipes existentes. Acho que isso precisa ser analisado com muito cuidado."

Chester acredita que uma maneira de agir seria aumentar o número de peças que as equipes têm de produzir, de modo que não possam ser compartilhadas. Ou então, padronizar mais componentes.

"Ou precisamos reverter algumas das partes não listadas, portanto, há menos compartilhamento de partes ou, se haverá compartilhamento de partes, elas precisam ser padronizadas", disse ele.

"Caso contrário, há apenas muitos benefícios para as equipes satélites, o que o torna pouco atraente para qualquer um que não esteja operando esse modelo."

Perguntado sobre o que aconteceria se a ação não for tomada, Chester respondeu: "eu acho que é uma má notícia, porque você quer muitas equipes que podem ganhar”.

"Você quer os fabricantes, você quer alguns times independentes muito bons, e se você tem esse modelo onde as equipes podem colaborar, não há mais sentido em ser um independente. Mata a chance de ter uma boa equipe independente.”

"Nenhum dos satélites vai chegar à frente, então você acabará com as mesmas três equipes no topo."

Próxima Fórmula 1 matéria
VÍDEO: F1 reúne momentos cômicos de Raikkonen na Ferrari

Previous article

VÍDEO: F1 reúne momentos cômicos de Raikkonen na Ferrari

Next article

Alonso espera voltar a pontuar em Singapura

Alonso espera voltar a pontuar em Singapura
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Renault F1 Team
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias