Ricciardo: "Nada me atingiu mais do que a morte de Bianchi"

compartilhar
comentários
Ricciardo:
Por: Norman Fischer
Traduzido por: Daniel Betting
25 de abr de 2018 21:33

Daniel Ricciardo reconhece que a morte de Jules Bianchi é o que mais o afetou e que, no esporte, as pessoas tendem a esquecer o perigo ao longo do tempo

Pilotos celebram a vida de Jules Bianchi após o funeral: Adrian Sutil, Roberto Mehri, Max Chilton, Alexander Rossi, Alexander Wurz, Allan McNish, Pedro de la Rosa, Jenson Button, Daniel Ricciardo, Daniil Kvyat
Jules Bianchi, Marussia MR03
Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing celebrates in parc ferme
Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing celebrates on the podium
Race winner Daniel Ricciardo, Red Bull Racing
Pierre Gasly homenageia Jules Bianchi

O GP da Austrália 2018 foi a primeira corrida da Fórmula 1 com o Halo. O sistema de proteção de cabeça enfrentou muitas críticas antes da temporada por sua estética. No entanto, Daniel Ricciardo defende que não é tão ruim quanto se pinta, e lembra que ele é projetado para dar segurança ao piloto, protegendo sua cabeça de peças que podem voar em sua direção.

Ricciardo diz que muitos esquecem o quão perigoso realmente é a Fórmula 1. Por muito tempo, a categoria máxima do automobilismo foi considerada muito segura, porque depois da morte de Roland Ratzenberger e Ayrton Senna, por 20 anos nenhum piloto morreu em um acidente de corrida.

"O tempo cura todas as feridas e você esquece", disse o australiano no podcast In The Pink, da jornalista Natalie Pinkham. Mas em 2014, a dura realidade o atingiu.

Jules Bianchi sofreu lesões na cabeça tão fortes no GP do Japão, que nunca mais acordou e ele morreu em 17 de julho de 2015. Daniel Ricciardo admite que, nunca antes um fato o abalou tanto quanto a morte de seu parceiro. "Foi muito difícil e me atingiu mais do que qualquer outra coisa que aconteceu comigo na minha vida", disse o piloto da Red Bull.

"Em nosso esporte houve acidentes em que pessoas morreram, mas ou eu nunca estava lá ou não conhecia o falecido de forma tão pessoal", explicou. Para o australiano, foi difícil entender que eles tiveram que seguir em frente e, de fato, a Fórmula 1 teve outra corrida no fim de semana após a morte de Jules.

"Família e amigos me perguntaram como eu me sentia, e a equipe me disse que, se eu não estivesse pronto para pilotar, nada aconteceria", revelou Ricciardo. No entanto, o australiano, como o resto do grid, esteve na Hungria, onde houve uma homenagem emocionada a Bianchi.

O momento lembrou a todos os pilotos do perigo que eles correm e os uniu. "Somos em parte rivais, mas de alguma forma todos nos amamos, todos nos respeitamos muito, quer mostremos ou não, e esse momento destacou essa afeição", disse Ricciardo, que desde então considera que se tornou um piloto melhor. "Eu sempre piloto com todo o meu coração e não vou correr o risco se eu fizer isso sem muito entusiasmo".

Se o recém-introduzido Halo teria ajudado Bianchi ou não é desconhecido. Mas deve fornecer, de acordo com estudos da FIA, segurança significativamente maior. Ricciardo está convencido disso: "Se algo acontecesse nessas primeiras corridas e nós não o tivéssemos, hoje todo mundo estaria falando sobre ele".

Confira o guia do circuito de Baku

 

Próxima Fórmula 1 matéria
Vandoorne acredita que já consegue atuar como Alonso

Previous article

Vandoorne acredita que já consegue atuar como Alonso

Next article

Haas: Falta de pontos de Grosjean até aqui não é problema

Haas: Falta de pontos de Grosjean até aqui não é problema
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Daniel Ricciardo Shop Now , Jules Bianchi
Autor Norman Fischer
Tipo de matéria Últimas notícias