Segundo Williams, medição da FIA estava errada

Equipe afirma que não faz ideia dos motivos que mostraram a alta temperatura do pneu de Massa, sendo que medições próprias mostravam o contrário

Após conseguir a oitava posição, Felipe Massa foi excluído do GP Brasil por irregularidades no pneu traseiro direito, que estava mais quente do que permitido.

Rob Smedley, diretor de desempenho da Williams, afirmou que está sem entender, já que medidores da própria equipe mostravam que a temperatura estava dentro do limite permitido.

"Temos sensores independentes. O primeiro é o PT1000, que fica dentro dos cobertores e nos diz como está a a parte da superfície e é um aparelho dentro dos regulamentos."

"Na verdade, a última vez que vimos, ele estava a 104°C", disse. Lembrando que o regulamento permite que a temperatura chegue a no máximo 110°. O pneu de Felipe foi flagrado a 137°C pela FIA.

"Outro medidor independente é o que o próprio carro tem. Lá, estava marcando 107°C."

"Além disso, temos também outro medidor igual ao que a FIA utiliza."

"Para nós, é crucial descobrir de onde veio este problema, mas temos três medidores e nenhum deles apontou o que a FIA mediu."

Quando perguntado porque a diferença entre o que a equipe verificou e o que a FIA auferiu é tão grande, Smedley respondeu: "não faço ideia. É por isso que vamos entrar com recurso.

Smedley também afirmou que o problema da temperatura não está relacionado com o da pressão,
"Se fossem 27°C acima do normal, isso nos daria 2.4 ou 2.3 psi acima do permitido."

Lembrando que a mesma medição constatou que a pressão estava apenas 0,1 psi acima do regulado.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do Brasil
Pista Interlagos
Pilotos Felipe Massa
Equipes Williams
Tipo de artigo Últimas notícias