Senna explica por que é ruim ceder o carro nos treinos livres

compartilhar
comentários
Senna explica por que é ruim ceder o carro nos treinos livres
2 de jun de 2012 09:40

Segundo brasileiro, falta de confiança o leva a desgastar mais os pneus quando vai à pista e atrapalha todo o GP

Senna cederá o carro para Bottas em mais 11 etapas

Com o campeonato tão apertado, qualquer detalhe faz diferença. Até, segundo Bruno Senna, o fato de perder a primeira sessão de treinos livres. O brasileiro, que, por força de contrato, cederá seu Williams para Valtteri Bottas em mais 11 sessões no ano – já o fez em quatro oportunidades – revela as dificuldades de perder 1h30 de tempo de pista por final de semana.

“A grande diferença é a seguinte: quando eu chego no segundo treino, todos já fizeram um treino inteiro. Tenho duas voltas com cada pneu para acertar a volta mais rápida. Mas você chega na pista sem muita referência e sem entender como estão as condições. Então, quando faz a primeira volta, nunca acerta. É difícil acertar logo de cara. E, na segunda, o pneu não está tão bom. Daí você tem de trocar de composto e descobrir as diferenças entre os dois.”

Com a alta degradação de pneus, como explica Senna, uma volta em que o carro escorrega demais acaba atrapalhando toda a programação.

“Você fica sem referência e chega no treino com o pé muito atrás. Assim, você tem que fazer um pouco mais de voltas, o que danifica ainda mais os pneus. Quando chega para fazer a simulação de corrida, seus pneus estão com muito mais dano do que o carro do Pastor [Maldonado], por exemplo. Não necessariamente por fazer mais voltas, mas porque atacou mais no lugar errado. O Pastor chega com uma referência muito mais sólida para o segundo treino. Isso é bem difícil e reflete, normalmente, no resto do final de semana.”

O tamanho do efeito maléfico de se perder uma sessão de treinos livres varia de acordo com a pista: quanto maior a tendência a gastar pneu, pior.

“Quando as coisas começam muito bem no segundo treino, a diferença fica menor. Mas, em Barcelona, por exemplo, onde, por causa da degradação, você tinha uma volta para fazer com o pneu, era muito difícil conseguir acertar e ter um pneu bom para fazer uma sequência maior de voltas. Em outros circuitos, é menos crítico.” 

Próxima Fórmula 1 matéria
Grosjean revela bom entrosamento com engenheiro de pista

Previous article

Grosjean revela bom entrosamento com engenheiro de pista

Next article

Sauber só ficou para trás por falta de dinheiro, diz Monisha

Sauber só ficou para trás por falta de dinheiro, diz Monisha
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Bruno Senna
Tipo de matéria Últimas notícias