Sirotkin: Kubica sabe que na F1 é cada um por si

compartilhar
comentários
Sirotkin: Kubica sabe que na F1 é cada um por si
Oleg Karpov
Por: Oleg Karpov
25 de fev de 2018 13:59

Em entrevista exclusiva, o novo piloto da Williams deu uma visão aprofundada sobre suas primeiras semanas na equipe. Confira o papo com Oleg Karpov, editor do Motorsport.com Rússia

Sergey Sirotkin, que já se mudou para a Inglaterra e esteve no país quase todos os dias de 2018 e falou com o Motorsport.com durante o lançamento oficial do novo carro da Williams, o FW41.

Sergey, vamos falar um pouco sobre o tempo. Você disse que passou todos os dias da semana na fábrica durante as últimas cinco semanas. O que você fez nos fins de semana?

Eu paro nos fins de semana para treinar fisicamente. Estou tão ocupado durante a semana que, normalmente, eu só tenho tempo para treinar à noite. E geralmente isso funciona bem, mas depois de um dia difícil em um simulador, você simplesmente não pode treinar tão forte quanto precisa. Portanto, as sessões de treinamento mais difíceis são deixadas para os fins de semana. Então, estou na sede quase todos os dias.

Te conhecendo, imagino que você está como uma criança em uma fábrica de chocolate?

Sim, e isso, em certo sentido, é uma fraqueza minha. Eu realmente gosto de fazer o que eu faço, por mais que seja difícil. Olhando para trás nessas cinco semanas, você até poderia até dizer que teria sido mais correto descansar um pouco, dizer ‘não’ a algumas coisas, que tenho que voltar para casa, recuperar um pouco. Mas entendo porque tudo o que estamos fazendo é muito importante. Estou ciente de que são esses sacrifícios que estamos fazendo agora serão benéficos mais tarde. Eu entendo por que os engenheiros precisam desse trabalho e ainda não aprendi a dizer ‘não’.

Lance Stroll, Sergey Sirotkin, Williams F1
Foto: Williams F1

Você já conheceu Frank Williams?

Sim. Na verdade, há uma história de como ele me viu pela primeira vez neste ano. Eu estava treinando pit stops com os mecânicos. Estava com uma pistola de roda, não estava de uniforme e Frank apareceu, e eu estava de costas para ele. Ele observou e depois disse: ‘este novo mecânico parece um pouco cru, precisa de mais tempo para treinar com a pistola. Falaram depois que era eu. Então esse foi nossa primeiro encontro do ano.

Eu o vi durante os fins de semana algumas vezes. Uma vez que apareci no treinamento na manhã de domingo, ele perguntou o que estava fazendo lá. Eu disse a ele que eu estava lá para treinar. Então entrei à noite e vi ele enquanto esperava pelo fisioterapeuta e ele disse: "Você novamente?"

No momento, você provavelmente está falando com os engenheiros. Todo mundo sabe que Rob Smedley é bastante direto. Como está sendo com ele?

A primeira coisa que ele me perguntou quando nos conhecemos – pelo que me lembro - durante a prova de assento antes do teste de Abu Dhabi foi: "Você e Robert testaram para a Renault. Quem foi mais rápido?" Então, essa é a primeira coisa que ele me disse, e honestamente, em seu lugar, eu diria o mesmo. Temos um bom relacionamento. Sua franqueza e honestidade significa muito neste mundo. Eu também sou assim, por isso se torna mais fácil para mim. Trabalhamos juntos muito bem.

Quando conversamos antes de Abu Dhabi, perguntei se seria o maior teste em sua carreira...

E eu disse que poderia ser. E agora posso dizer que era.

Você sentiu logo depois que suas chances melhoraram? Sua percepção mudou?

Sim, sim. Nem mesmo por causa dos resultados, mas por causa da reação que vi no time. Isso me motivou muito e eu realmente comecei a acreditar nessa oportunidade após o teste.

Então, o que mudou? A atitude daqueles dentro da equipe?

Bem, não que isso realmente mudou. Vi o modo como a equipe de tecnologia reagiu ao resultado, e como o dia inteiro foi, os preparativos para o trabalho que fizemos no simulador depois. Você poderia dizer que percebi que fiz meu trabalho bem e que minhas chances eram muito maiores do que parecem inicialmente.

Sergey Sirotkin, Williams FW40
Foto: Sutton Images

 

Você sabe que, para o mundo inteiro, você acabou com a bela história do retorno de Robert Kubica, não é?

Eu sei. Para ser honesto, muitas vezes tocamos esse assunto, doloroso para alguns, mas não para outros. Mas você viu, eu e Robert estamos conversando aqui. Ele é uma pessoa muito legal, ótima. Eu entendo sua posição, eu realmente o respeito, ele conseguiu muito. Não estamos aqui para ser esses bons filhos cedendo um ao outro. É cada um por si, e ele entende isso também. Aconteceu o jeito que aconteceu. E eu acho que temos um relacionamento normal.

Sem tensão então?

Eu não penso assim e acho que isso é um sinal de meu grande respeito por ele. Ele é uma pessoa experiente. Não vou dizer para ele me "respeitar" uma centena de vezes. Então não há necessidade de conversas como essa.

Como você sabe, a F1 não é apenas um esporte, em comparação aos campeonatos de base, há mais negócios aqui, mais política.

Você sabe, agora que estou onde estou, talvez eu mesmo diga que entendi que é realmente diferente. Verdade, ainda há muito que eu não conheço, mas a maneira como meu relacionamento com a equipe se desenvolveu está indo surpreendentemente bem. Foram cinco semanas difíceis. Muito difíceis mesmo. Mas estou realmente interessado em trabalhar com essas pessoas.

Próxima Fórmula 1 matéria
Renault: confiabilidade é o foco para motor em Melbourne

Previous article

Renault: confiabilidade é o foco para motor em Melbourne

Next article

VÍDEO 360°: Dê uma volta com o novo Red Bull em Silverstone

VÍDEO 360°: Dê uma volta com o novo Red Bull em Silverstone
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Sergey Sirotkin
Equipes Williams
Autor Oleg Karpov
Tipo de matéria Entrevista