Suspensões e asa traseira ganham atenção especial na Lotus

compartilhar
comentários
Suspensões e asa traseira ganham atenção especial na Lotus
Por: Julianne Cerasoli
29 de jan de 2013 09:51

Segundo o diretor técnico da equipe, James Allison, carro de 2013 será um mix entre continuidade e novidades

O E21, carro da Lotus para a temporada 2013, será uma mistura de continuidade dos conceitos que vinham funcionando com a adição de novas soluções para áreas problemáticas. De acordo com o diretor técnico do time, James Allison, as suspensões e a asa traseira ganharam atenção especial no novo desenho. A busca, como sempre, é por maior eficiência aerodinâmica.

“Algumas peças do carro foram totalmente redesenhadas e em outras áreas otimizamos o melhor da filosofia adotada há muitas temporadas. As suspensões foram bastante revisadas para tentar nos dar oportunidades aerodinâmicas. A asa dianteira é uma continuidade dos conceitos em que trabalhamos desde 2009. Para a asa traseira, continuamos trabalhando em ter um nível satisfatório de pressão aerodinâmica ao mesmo tempo em que temos o máximo de potencial na DRS.”

Porém, as mudanças não serão tão significativas quanto ano passado, o que é um alívio para Allison. “Depois de uma sequência de mudanças de regras e interpretações desde 2009 parece que 2013 será um ano de estabilidade. Há apenas algumas mudanças muito limitadas, o que é um alívio considerável para todo o grid dado o nível de transformação que o esporte terá em 2014.”

O engenheiro não acredita que muitas equipes cobrirão os degraus em seus bicos, algo que a regra de 2013 permite, ao contrário do ano passado. “Há apenas uma regra que abre a possibilidade de mudança pois será permitido um painel na parte superior do bico para evitar os degraus de 2012. No entanto, isso é opcional e não me surpreenderia se a maior parte do grid optar por não usá-lo. O painel representa algumas gramas a mais, então só deve aparecer no carro de quem conseguir alguma performance.”

Sobre a dupla de pilotos, Allison destacou a qualidade e a continuidade. “O melhor de manter a dupla de 2012 é que ambos são rápidos. Isso, além de não ter de reinventar o assento, pedais, volante e coisas do tipo. Não ter de estabelecer uma relação nova com os engenheiros também é algo bem-vindo.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Kimi sobre retorno: "Eram os outros que tinham dúvidas"

Previous article

Kimi sobre retorno: "Eram os outros que tinham dúvidas"

Next article

De la Rosa se diz "surpreso" por ser escalado para teste

De la Rosa se diz "surpreso" por ser escalado para teste
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Julianne Cerasoli
Tipo de matéria Últimas notícias