Todt sugere teto para descartar ideia de motor padrão

Presidente da FIA diz que se fabricantes concordarem com preço máximo de € 12 milhões anuais para equipes clientes, federação abandona ideia de motor independente na F1

A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) tem pressionado pela introdução de um motor independente na F1 para 2017, o que garantiria a todas as equipes do grid acesso às unidades de potência.

Se a ideia receber apoio dos acionistas da categoria, então Todt espera que o conceito saia do papel e uma fornecedora disponibilize um motor padrão que custe cerca de € 6-7 milhões por temporada. 

Entretanto, há algum ceticismo por parte das equipes sobre os perigos da presença de dois tipos diferentes de motor na categoria. O presidente da FIA, no entanto deixou claro que se as fabricantes atuais reduzirem o valor anual das unidades de potência para € 12 milhões ele, então, abandonaria completamente a ideia de um fabricante independente. 

"Considero € 12 milhões, ainda que seja uma quantia elevada, um valor aceitável. Não sou o responsável pelos orçamentos das equipes, mas parece-me um montante justo tanto para os times quanto para as fabricantes.

Recentemente, a Ferrari vetou uma proposta de mudança nas regras que limitaria o preço anual das unidades de potência para equipes clientes a € 12 milhões. A justificativa dos italianos é que tal limite seria um duro golpe nos interesses comerciais de uma fornecedora de motor.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias
Tags fia, todt