Toro Rosso: F1 deveria reduzir aerodinâmica em “40-50%”

compartilhar
comentários
Toro Rosso: F1 deveria reduzir aerodinâmica em “40-50%”
Scott Mitchell
Por: Scott Mitchell
Co-autor: Oleg Karpov
9 de jan de 2019 10:09

Franz Tost considera que tal medida melhoraria significativamente a qualidade das corridas, mas duvida que outras equipes apoiariam

O chefe da Toro Rosso, Franz Tost, considera que os dirigentes da F1 deveriam reduzir a pressão aerodinâmica dos carros em “40-50%” a fim de melhorar o espetáculo das corridas.

Os carros da categoria terão asa dianteira e defletores simplificados em 2019, além de outros pequenos ajustes na tentativa de diminuir a sensibilidade a turbulência e melhorar a qualidade das corridas.

As mudanças antecedem uma alteração muito maior que está prevista para 2021.

Tost disse ao Motorsport.com que a F1, que aumentou a pressão aerodinâmica dos carros em 2017 para criar os modelos mais rápidos da história, precisa aproveitar a oportunidade para eliminar a dependência do downforce.

“Temos muita pressão aerodinâmica, o que significa que, nas curvas de alta velocidade, ninguém consegue seguir o outro devido ao ar sujo atrás, e mal temos pontos de freada”, disse. “Como deveria haver ultrapassagens?”

“Isso significa que a FIA, FOM – e há pessoas experientes por lá, como Ross Brawn e Pat Symonds – sabem exatamente o que deveria ser feito: reduzir o lado aerodinâmico, a pressão aerodinâmica.”

“Eu cortaria no mínimo 40-50% da atual pressão aerodinâmica para deixar o carro muito mais instável nas curvas. Aí as pessoas veriam os pilotos tendo que lutar com o carro.”

“Os carros serão muito mais rápidos nas retas, haveria a chance de ultrapassar os outros – devido à maior zona de frenagem – e você pode seguir de perto nas curvas.”

“Essas regras podem ser facilmente realidade. Eles precisam só querer.”

Tost afirmou que os pilotos são os únicos que “sentem e reconhecem” a performance dos atuais carros.

No entanto, Tost sente que, assim como o teto de gastos – à qual ele é favorável, embora haja resistência dos times maiores –, a redução da pressão aerodinâmica seria algo travado pelas equipes.

Questionado sobre quem seria contra a proposta, ele disse: “As equipes! Nunca pergunte às equipes.”

“[Os dirigentes precisam] Vir com as regras e dizer ‘aceitem ou saiam’. Mas eles perguntam para as equipes.”

“Eles chegam ao grupo técnico da F1. Quem está no grupo técnico da F1? Engenheiros. Nunca pergunte a engenheiros!”

Next article
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Scott Mitchell