Toro Rosso "saboreia" liberdade com Honda

compartilhar
comentários
Toro Rosso
Valentin Khorounzhiy
Por: Valentin Khorounzhiy
18 de mar de 2018 14:01

Franz Tost disse ter visto "uma grande diferença" de sua equipe com fabricante japonesa

Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17, Brendon Hartley, Scuderia Toro Rosso STR12, Carlos Sain
Franz Tost, Team Principal, Scuderia Toro Rosso, with Toyoharu Tanabe, F1 Technical Director, Honda
Franz Tost, Scuderia Toro Rosso Team Principal
Brendon Hartley, Scuderia Toro Rosso STR13

A Toro Rosso já usou motores Cosworth, Ferrari e Renault desde sua chegada à F1, antes de se juntar à Honda em um contrato de três anos, a partir de 2018.

Antes da primeira corrida da equipe com o fabricante japonês, o chefe da equipe, Franz Tost, explicou porque a nova parceria da Toro Rosso tem sido até agora diferente e relação aos fornecedores anteriores.

"É uma grande diferença, acredite", disse Tost ao Motorsport.com. "Isso começou com o design do carro. No passado, recebíamos uma unidade de energia e os fornecedores diziam: "Olhe, esta é a unidade de energia, com os tubos, com todos os agregados, basta colocá-lo em seu carro."

"E agora nossos designers estão sentados juntos com os engenheiros da Honda, eles acham 'OK’, como podemos criar o tanque de óleo, por exemplo, na frente do motor, como colocá-lo da melhor maneira possível no chassi.”

"Nos tempos antigos, precisávamos encontrar o caminho do nosso lado, e agora estamos discutindo isso junto com a Honda."

Havia uma aspereza entre Toro Rosso e seu parceiro anterior, a Renault, no final da temporada passada, já que a equipe e o fornecedor se encontravam em desacordo por causa da fraca confiabilidade do motor.

Tost contou que com a nova parceria da Honda, os engenheiros da Toro Rosso saboreavam as liberdades que tinham na configuração da unidade de energia.

"Você deveria ter visto os rostos sorridentes dos engenheiros quando eles voltaram do dyno, com a caixa de câmbio e o motor", disse Tost. "Eles disseram: 'Ei, nós poderemos mudar os mapeamentos durante a corrida'.”

"Antes, os mapeamentos estavam em uma caixa preta e não conseguimos fazer nada. Mesmo se disséssemos ‘bem, talvez isso seja melhor’ ou ‘isso é melhor’, eles diriam 'pega e é isso'.”

"E agora temos um impacto. E podemos dizer "olhe, vamos tentar isso e desta forma, talvez possamos obter uma vantagem de desempenho’.”

"E isso ajudou muito dos dois lados e, portanto, para Toro Rosso é absolutamente melhor ter essa cooperação com a Honda.”

Enquanto a Honda teve tempos difíceis na F1 desde o seu retorno em 2015, o novo carro desfrutou de uma passagem tranquila nos testes de pré-temporada.

Mas Tost diz que é o carro de 2019 que ele tem esperanças mais altas.

"Espero muito do carro do próximo ano", disse ele. "Há um mês estamos trabalhando no carro do próximo ano e obtemos cada vez mais ideias para colocar as diferentes partes da unidade de energia da melhor maneira possível para o chassi.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Ocon: preciso provar meu valor à Mercedes em 2018

Previous article

Ocon: preciso provar meu valor à Mercedes em 2018

Next article

Análise: Por que a Haas surpreendeu Hamilton?

Análise: Por que a Haas surpreendeu Hamilton?

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Toro Rosso
Autor Valentin Khorounzhiy
Tipo de matéria Últimas notícias