Vasseur rompeu acordo Sauber-Honda uma hora depois de chegar

Dirigente da Sauber explica episódio que agitou o mercado dos fabricantes da F1

A abordagem de Fred Vasseur para ser um chefe de equipe o ajudou a criar uma carreira bem sucedida nas categorias de base e o tornou um candidato óbvio quando a Sauber estava sem um chefe no ano passado.

No entanto, não há melhor prova de quão intenso, determinado e focado ele pode estar em seu trabalho do que a velocidade com que ele começou a traçar uma nova direção para a Sauber logo no primeiro dia.

A mudança mais ousada – o plano de cancelamento da Sauber sobre o acordo com a Honda - foi o topo de sua lista quando ele atravessou as portas da fábrica.

"Entrei no dia 17 de julho às 9h e a reunião foi às 10h", brincou, em uma entrevista com o Motorsport.com, refletindo sobre seu retorno à linha de frente na F1.

"Para mim, foi importante. Nunca é fácil mudar o fornecedor do motor, mas a Honda não estava em uma forma muito boa. Além disso, e provavelmente o mais importante para mim, era que estávamos ligados à McLaren pela caixa de câmbio com absolutamente nenhum recurso interno para fazer a nossa própria.”

"Eu estava convencido, como tinha alguns contatos na McLaren, eles fariam o possível para sair. Então eu não poderia estar em posição de arriscar. Imagine hoje se eu tivesse que solicitar a caixa de câmbio da Honda da McLaren. Um pesadelo absoluto”.

"Estando no processo de trabalhar em nosso carro de 2018, não conseguimos adiar a decisão".

Negócios inacabados

A decisão de Vasseur para a Sauber no ano passado aconteceu poucos meses depois de ter se afastado de um cargo sênior na Renault, tendo sentido que sua visão estratégica de longo prazo não estava em linha com a do diretor-geral Cyril Abiteboul.

Embora não tenha arrependimento das coisas que não funcionaram na Renault, há a sensação de que havia algum negócio inacabado e um ponto para provar o que ele poderia fazer na F1.

"Você sabe que eu passei os últimos 27 anos da minha vida nas pistas e com certeza você quer ter sucesso. Você não quer terminar assim", explica ele.

"Mas não tem nada a ver com vingança ou algo assim. Eu sempre procurei o bom projeto para mim na F1 e acho que este foi perfeito”.

"Eu não queria dizer que a Renault não era boa. Mas eu tive alguns problemas para me adequar ao sistema, então é muito melhor eu sair e parar porque tenho outros projetos na minha vida. E eu parei”.

"Fiquei bastante feliz por ter uma pausa - mesmo que, após seis meses, a pausa tenha sido um pouco demais! Minha esposa me empurrou para encontrar outra coisa e disse: ‘não fique mais em casa’."

“Em seguida, começamos a conversar com a Sauber. A discussão foi boa, o projeto era bom porque era muito mais adequado às minhas expectativas e aos projetos que tive no início da minha carreira".

Futuro da Ferrari

O impacto de Vasseur na Sauber nos seis meses que ele esteve lá foi claro, com os laços mais estreitos da equipe com a Ferrari que trouxe o nome Alfa Romeo de volta à F1.

Bem ciente de que o dinheiro fala na F1 e que pequenas equipes têm poucas possibilidades de sucesso sozinhas contra o poder dos fabricantes, obter essa associação com a Alfa por meio de laços mais estreitos com a Ferrari foi essencial.

No entanto, o Vasseur tem claro que não se trata de que a Sauber se torne uma equipe júnior, ou uma equipe B de Maranello, porque ele é inflexível que Hinwil não deve perder a grande experiência que tem à disposição para criar seu próprio carro.

"Do que as pessoas nos chamam não importa, ninguém está preocupado se somos júnior ou um cliente. Nós só precisamos construir algo com eles [Ferrari], com base em uma abordagem comum e um acordo mútuo.”

"Precisamos ter um relacionamento próximo, mas não quero comprar o carro da Ferrari porque quero manter o know-how”.

"Nós não fazemos isso, estaremos exatamente na mesma posição de hoje com a caixa de câmbio, e eu quero evitar esse tipo de decisão."

Pequenos passos

Antes da temporada 2018, onde as coisas deveriam ser melhores - graças à nova aliança com a Ferrari, a mudança para um motor atual depois de usar uma unidade um ano atrasada em 2017 e o impacto da equipe ao longo da última temporada , Vasseur permanece realista, porém, apenas sobre o que seja possível a curto prazo.

"Estávamos mais ou menos longe dos caras da nossa frente, mesmo que diminuíssemos um pouco a diferença nas corridas finais.”

"O primeiro alvo para mim foi diminuir a diferença. Devemos ser capazes de lutar com os caras ao nosso redor. Penso que seremos capazes de diminuir a diferença. Então é difícil saber se lutaremos por P8, P9 ou P10, isso é difícil. Mas dependerá também das outras equipes e dos seus projetos".

Ele acrescenta: "Temos que ser honestos com nós mesmos. O maior problema até agora não era o motor, o motor era de 2016, mas a desvantagem era de apenas alguns décimos.”

"Se você se compara com as outras equipes, o maior problema foi o chassi, e temos que nos concentrar nisso e melhorar a aerodinâmica. Pelo menos você removerá a preocupação do motor".

Paciência a longo prazo

Ao invés de acreditar que uma pequena equipe como a Sauber pode ameaçar os grandes por pódios, Vasseur se inspira no que Force India conseguiu fazer, além de entender quanto tempo levou a equipe de Silverstone para se tornar tão boa.

"A Force India é um bom modelo, porque se você olhar para o time, eles estão trabalhando com a Mercedes, enquanto estamos trabalhando com a Ferrari”.

"Eles estão trabalhando com pilotos, estão trabalhando em colaborações e trabalhando no motor e em algumas outras partes, e têm mais ou menos o mesmo tamanho da Sauber. É um bom exemplo do que poderíamos alcançar.”

"Levou tempo para que Force India entregasse algo, e você se lembra dos velhos tempos quando eles eram Spyker e estavam lutando para estar no top 10. Eu acho que eles tiveram um projeto a longo prazo, algo sério, e ano após ano eles voltaram ao ritmo e agora são bastante consistentes. Penso que devemos levar as coisas do mesmo jeito”.

"Temos que ser pacientes. É um projeto de três a cinco anos. Não basta assinar com um engenheiro da Ferrari ou Mercedes, que na próxima semana o carro será muito melhor”.

"Quando você está fora do negócio, às vezes não é fácil de entender, e você pode ter a sensação de que você pode comprar o desempenho. Sem o orçamento você não vai lutar com a Mercedes, mas você precisa ter um projeto a longo prazo, você precisa saber onde você precisa ir e como você tem que fazer isso". 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Sauber
Tipo de artigo Últimas notícias