Análise técnica de Giorgio Piola

VÍDEO: Principais passos da Ferrari para bater a Mercedes

Sebastian Vettel foi o primeiro a admitir que Ferrari teve sorte no GP da Austrália dada a maneira como venceu, e que o SF71H ainda não é o que ele quer

O início da temporada de 2018 da F1 deu à Ferrari uma boa plataforma para construir e melhorar o que é um carro bastante diferente do seu antecessor.

Aqui, Giorgio Piola e Matt Somerfield olham para as áreas-chave onde a equipe de Maranello fez mudanças significativas neste inverno, em uma tentativa de entregar um carro que seja capaz de trazer para casa o título mundial. 

Ao invés de destacar a filosofia de longa distância entre eixos da Mercedes como uma fraqueza no ano passado, a Ferrari sentiu que na verdade esse era o melhor caminho para seu carro de 2018. O SF71H é um pouco mais de 100mm mais longo que o seu antecessor.

Isso dá à equipe mais opções em termos de pacote e distribuição de peso, ao mesmo tempo em que permite que a equipe melhore ainda mais o trabalho feito em torno da barriga do carro em 2017.

O desenho nada convencional do sidepod foi visto como uma característica de destaque do SF70H, com a posição baixa e avançada da estrutura de impacto lateral superior, uma característica da Red Bull, Williams e Haas neste ano.

A ideia permitiu que eles empurrassem para trás e redesenhassem suas entradas de resfriamento, remontassem a parte interior e reformulassem as superfícies subsequentes do sidepod.

É uma abordagem holística para melhorar o desempenho do sidepod em sua totalidade, mas foi impulsionada por um fator primário: mover os sidepods para longe da esteira gerada pelos pneus dianteiros.

 

Ferrari SF71H side pods, captioned, Australian GP
Ferrari SF71H side pods, captioned, Australian GP

Photo by: Giorgio Piola

Um aspecto do design exclusivo do SF71H são seus espelhos retrovisores. A equipe criou duas superfícies distintas para melhorar o fluxo de ar ao redor deles.

O carcaça externa possui um orifício na frente, expondo um invólucro interno, que é cuidadosamente modelado para otimizar o fluxo ao redor da superfície interna do espelho e reduzir a turbulência que normalmente o rodeia.

O design melhora inteligentemente não apenas o desempenho aerodinâmico do espelho retrovisor por si só, mas também melhora os fluxos de ar para a entrada superior do sidepod.

 

Ferrari SF71H and SF70H front wing comparison
Ferrari SF71H and SF70H front wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

Mesmo com os dois testes de pré-temporada, a Ferrari tinha algumas dúvidas sobre a asa dianteira de 2018 que precisava ser respondida no GP da Austrália - e foi por isso optou por realizar alguns testes comparativos com um projeto do ano passado.

O teste foi completado com um conceito introduzido no GP dos Estados Unidos no final da temporada passada.

Esta asa antiga apresentava um arco e plataforma levemente diferentes na seção externa do mainplane (círculo esquerdo) e uma borda superior no ponto de conexão com a seção central neutra (seta no círculo à direita).

Isso contrasta com os orifícios usados nesta temporada que estão desempenhando um papel semelhante (destacado em amarelo). No final, a Ferrari estava confiante o suficiente para levar sua nova asa para a corrida.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Ferrari
Tipo de artigo Análise
Topic Análise técnica de Giorgio Piola