Volta da Turquia ao calendário depende de dinheiro do governo

De acordo com o presidente da federação local, Demire Berberoglu, as negociações estão avançadas com Ecclestone

A Turquia tenta voltar ao calendário da Fórmula 1 após a abertura de uma data para mais uma prova a ser realizada na Europa em maio. A vaga existe pelo cancelamento do GP de Nova Jersey, que faria sua estreia em 2013. Os administradores do circuito, no entanto, só precisam que o dinheiro seja liberado pelo governo.

A Federação Turca de Automobilismo tem negociado com Bernie Ecclestone e com Vural Ak, empresário que assumiu recentemente a administração do circuito de Istambul, as bases do acordo para o retorno da prova ao calendário. O GP da Turquia foi disputado de 2006 a 2011.

“Nós estamos fazendo todos os esforços para que as corridas de Fórmula 1, que foram realizadas por sete anos em nosso país, voltem à pista de Istambul Park em 2013 e no futuro”, afirmou o presidente da federação, Demire Berberoglu, à Reuters.

O retorno turco, no entanto, depende que o governo local libere algo em torno de 13,5 milhões de dólares. “Todos sabem o que é preciso para garantir a presença da F-1 no calendário de 2013 nos próximos anos: uma garantia de orçamento governamental”,  Berberoglu deixou claro. “Isso depende da decisão do primeiro-ministro.

O ministro dos esportes, Suat Kilic, porém, deixou claro que espera que a quantia venha da iniciativa privada. "Se quiserem, o setor privado por trazer a F-1 de volta. Mas nós não vamos pagar pelos direitos. Isso foi proposto a uma companhia não estatal", afirmou à agência de notícias local Dogan.

A vaga no calendário foi decidida na reunião do Conselho Mundial, na última quarta-feira. O GP da Alemanha foi adiantado em uma semana para que fosse possível realizar outra prova dia 21 de julho, uma semana antes do GP da Hungria. 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias