Williams: É difícil definir metas com novas regras em 2019

compartilhar
comentários
Williams: É difícil definir metas com novas regras em 2019
Edd Straw
Por: Edd Straw
Co-autor: Scott Mitchell
14 de ago de 2018 10:59

Diretor Técnico da equipe, Paddy Lowe vê oportunidade de crescimento com todas as equipes tendo que realizar um novo trabalho

Robert Kubica, Williams FW41 with aero paint on front suspension and front wing
Robert Kubica, Williams FW41 with aero paint over the whole car
Robert Kubica, Williams FW41 with aero paint over the whole car
Sergey Sirotkin, Williams FW41
Robert Kubica, Williams FW41 with aero paint

A revisão das regras da Fórmula 1 para a próxima temporada torna difícil para as equipes julgarem metas aerodinâmicas para seus carros de 2019, de acordo com o chefe da Williams, Paddy Lowe.

Williams, Force India e Red Bull fizeram um primeiro teste com as novas asas durante os testes após o GP da Hungria, em Hungaroring.

O novo dispositivo, que é 200 mm mais largo e 25mm mais profundo e possui extremidades e elementos de asa menos complicados, foi projetado para melhorar as ultrapassagens.

Perguntado pelo Motorsport.com como era difícil ter um objetivo realista para o desenvolvimento das asas antes do teste, Lowe disse: “É uma pergunta muito boa e que é frequentemente levantada.”

“Algo que as equipes disseram no passado é que voltamos para onde estávamos, mas isso parece completamente arbitrário.”

“Você tenta escolher um nível sensato baseado em onde você começa.”

"Quão preciso é isso, e que diferença isso faz de qualquer maneira, são duas perguntas para as quais eu realmente não tenho respostas."

A mudança da asa dianteira é semelhante à apresentada em 2009, e Lowe disse que estava “nessa faixa”, mas de maneira “não tão significativa”.

Lowe estava no comando da equipe técnica da McLaren quando calculou mal os níveis de downforce na revisão das regras de 2009 e perdeu o truque do difusor duplo que colocou a Brawn a caminho do sucesso.

"Tenho certeza de que muitas coisas terão que ser reotimizadas", disse Lowe sobre a extensão do impacto da mudança de 2019.

Lowe disse que esteticamente ampliar as asas é "o mesmo erro" de 2009.

No entanto, ele está ciente de que também apresenta uma chance para a Williams reagir imediatamente após o FW41 ter provado ser o pior carro do grid de 2018.

"É uma grande mudança, então a mudança é sempre uma oportunidade de se sair bem", disse Lowe.

“Estamos muito conscientes disso e trabalhando muito para ser o lado certo dessa oportunidade e criar algum terreno.

"Pode ser uma ruptura."

Próxima Fórmula 1 matéria
Leclerc: Começo ruim fez progresso da Sauber parecer maior

Previous article

Leclerc: Começo ruim fez progresso da Sauber parecer maior

Next article

Hamilton promete ser “atleta diferente” em 2019

Hamilton promete ser “atleta diferente” em 2019
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Williams
Autor Edd Straw
Tipo de matéria Últimas notícias