Wolff alerta F1 para não “provocar” Marchionne

Chefe da Mercedes insiste que ameaças de saída da Ferrari são reais e podem acontecer “sem arrependimentos”

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, alertou os chefes da F1 para não provocarem Sergio Marchionne, já que há um real perigo de a Ferrari deixar a categoria.

Marchionne, presidente da fabricante italiana, indicou várias vezes que, caso as regras futuras da F1 não casem com seu negócio, ele encerraria a equipe de corridas.

Enquanto que muitos acusaram Marchionne de fazer alarmismo e de repetir uma tática que a Ferrari usou várias vezes no passado para influenciar nas regras, Wolff acha que as ameaças precisam ser levadas a sério desta vez.

“Não provoquem Sergio Marchionne”, disse Wolff, quando questionado sobre as ameaças da Ferrari de deixar a F1. “Acho que a F1 precisa da Ferrari mais do que a Ferrari precisa da F1.”

“E ele tem um entendimento e uma visão do que o DNA da F1 precisa representar para a Ferrari, e ele não é um cara sem noção. Se ele não vê o valor para a sua marca, ele vai se retirar. Muito fácil. Sem arrependimentos. Então, é melhor não mexer com ele.”

Os comentários de Wolff vêm à tona pouco depois do presidente da FIA, Jean Todt, indicar que não descartaria a saída da Ferrari, já que sugeriu que a fabricante italiana perdesse o veto que tem para mudanças nas regras.

“O veto é da época de Enzo Ferrari, e ele estava isolado em Maranello”, disse Todt.

“Era a única equipe que fazia seu motor e chassi contra algumas outras equipes que usavam motor Ford. Então, naquela época, foi decidido que, por estar fora do ‘Vale do Silício’ do automobilismo, eles precisavam de uma proteção. Essa é a história por trás do veto.”

“Mas, pessoalmente, sinto que agora não estou em favor disso. Os tempos mudaram.”

Reportagem adicional de Roberto Chinchero

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Ferrari , Mercedes
Tipo de artigo Últimas notícias