Wolff: "Não deveríamos precisar de carros blindados"

Chefe da Mercedes disse que a equipe teve uma dose de ânimo com a pole de Valtteri Bottas para superar o mau momento do assalto de sexta-feira à noite

Na noite desta sexta-feira, alguns membros da Mercedes foram assaltados perto do circuito de Interlagos, onde neste fim de semana é disputado o GP do Brasil.

Menos de 24 horas depois, a equipe se recuperou da experiência ruim para permitir que Valtteri Bottas conquistasse a pole position da corrida, um ponto que levantou o ânimo da equipe.

"Foi importante porque, no caso dos meninos que foram afetados, os vi felizes depois da qualificação e mais relaxados, então é uma coisa boa. É uma dinâmica positiva", disse Toto Wolff, chefe da equipe Mercedes.

Esses eventos não são novidade em São Paulo durante a Fórmula 1, e no passado outros pilotos e personagens paddock sofreram com estes casos.

Dada esta situação, Wolff disse que o Brasil é um país excelente, mas talvez eles devam modificar algumas coisas em seu deslocamento para o circuito.

"Não devemos precisar de veículos blindados, agentes para estarmos a salvo da pista para o hotel; mas então estas são as circunstâncias e talvez nosso foco no passado fosse um pouco indulgente; fácil, porque o Brasil é um excelente país".

"Deve ter sido um momento realmente assustador para os meninos. Todos saímos quase na mesma hora, às 22h em ponto, e ser abordado com uma arma deve ser algo horrível."

"Eles aumentaram a segurança desde esta manhã. Quando chegamos ao circuito, parecia que havia uma guerra civil, tantos policiais estavam na pista. Vamos ver o que acontece hoje à noite, mas não deve acontecer de novo".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do Brasil
Pista Interlagos
Equipes Mercedes
Tipo de artigo Últimas notícias