Wolff nega “oportunismo” na batalha de regras da F1

compartilhar
comentários
Wolff nega “oportunismo” na batalha de regras da F1
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
Traduzido por: Daniel Betting
27 de mar de 2018 10:23

Chefe da Mercedes insiste que montadora alemã não está sendo "oportunista" ao pressionar para que seus desejos sejam atendidos nas futuras regras do motor da Fórmula 1

Toto Wolff, Mercedes AMG F1 Director of Motorsport and Nicholas Tombazis, FIA Head of Single-Seater
Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing, Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG, and Maurizio Arrivabene, Team Principal, Ferrari, on stage
Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing, Toto Wolff, Executive Director (Business), Merced
Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing, Toto Wolff, Executive Director (Business), Merced
Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 W09 EQ Power+
Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09 EQ Power+
Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 W09 EQ Power+
Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09 EQ Power+

A Mercedes se juntou a Renault e Ferrari em oposição ao teto de gastos, uma mudança radical nos regulamentos proposta pela Liberty Media e pela FIA no ano passado.

Essa postura levou rivais a sugerir que os fabricantes não queriam que nada mudasse porque estavam tentando proteger suas vantagens competitivas.

Wolff negou que este é o caso, porém, e diz que uma proposta de compromisso que foi dada à FIA e Liberty poderia realmente tornar as coisas mais difíceis para sua equipe com um novo motor.

Pressionado sobre as acusações de que a Mercedes está resistindo à mudança para continuar na frente, Wolff disse ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung: "Você não pode ser um super-oportunista. Isso vai te morder um dia”.

"Para nós, uma mudança nos regulamentos do motor seria até desejável, porque assumimos que nossa estrutura funciona na Mercedes”.

"Para evitar uma transformação no desempenho, gostaríamos de recomeçar do zero. Mas isso seria caro. Por isso, pedimos que as regras sejam mais ou menos mantidas”.

"Em dois anos, haverá apenas diferenças marginais no desempenho entre os atuais fabricantes de motores. A Renault vai se aproximar nesta temporada. E a Honda deu um grande salto."

Embora a FIA e a Liberty estejam tendo que equilibrar os interesses dos atuais fabricantes com os de potenciais novos participantes, Wolff acredita que seria um erro criar regras que garantissem aos forasteiros sucesso fácil.

"O nível de entrada é alto, como em qualquer competição em um determinado nível. Mas ninguém deve insistir em ser competitivo desde o início mudando as regras", acrescentou Wolff.

"Nós também tivemos uma fase difícil em 2010, 2011 e 2012, e só conseguimos uma vitória nesta época. Que tipo de serviço seria para a Fórmula 1 se você cortasse as regras de tal forma que um iniciante subisse imediatamente para a frente? Bom para eles se funciona assim”.

"Mas eu só posso advertir contra o nivelamento artificial. Afinal, as equipes competidoras conquistaram seu lugar com muito trabalho e altos investimentos".

Embora nenhum detalhe da proposta de compromisso dos fabricantes tenha sido revelado, Wolff sugeriu que o uso de peças mais padronizadas foi proposto para ajudar a reduzir os custos para ajudar os novos participantes.

"Achamos que certos componentes devem ser liberados para distribuição e padronização", disse Wolff. "Além disso, a rotação do motor deve aumentar e o fluxo de combustível deve ser aumentado”.

"Peças padrão devem ser consideradas onde um novo participante pode não querer se desenvolver. Nós deixaríamos nossa tecnologia disponível ou padronizá-la".

Próxima Fórmula 1 matéria
Liberty promete mostrar planos para futuro da F1 no Bahrein

Previous article

Liberty promete mostrar planos para futuro da F1 no Bahrein

Next article

Brawn: F1 deve se esforçar para voltar a ter ultrapassagens

Brawn: F1 deve se esforçar para voltar a ter ultrapassagens

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias