Estreando em uma sessão oficial na F-1 amanhã, Nasr vê trabalho à frente

Piloto brasiliense de 21 anos substituirá Valtteri Bottas no primeiro treino livre e afirma que entra na GP2 em 2014 para vencer

Entrando no terceiro ano na GP2, Felipe Nasr começa 2014 com o fardo de ser um – senão o – maior favorito ao título desta temporada. O brasileiro, quarto colocado do ano passado, é agora piloto de testes e reserva da Williams, e precisa de um bom ano junto ao time e na GP2 para continuar bem cotado no mercado.

“Eu preciso mostrar serviço com os dois carros”, disse hoje em Sakhir.

“Preciso aproveitar bem os dias que tiver no carro da Williams e mostrar o meu potencial nele para a equipe. E na GP2, voltando para meu terceiro ano, é para disputar o título e tentar vencê-lo. Se eu tiver uma boa performance nas duas frentes, ficará mais fácil pensar em estar como titular na F-1 no ano que vem.”

Mesmo testando pela Williams amanhã e em mais quatro oportunidades neste ano, Nasr ainda não vê a equipe de Grove como primeira opção para estrear em 2015. “É difícil falar, não sabemos o que vai acontecer até o final da temporada. Eu penso em aproveitar esse ano para aprender ao máximo e ver que oportunidade pode surgir para o ano que vem, seja na Williams ou em outra equipe.”

O piloto se disse feliz em testar na Fórmula 1 durante a temporada. “É a melhor opção possível, sem dúvida. Antigamente haviam testes praticamente toda a semana. Hoje, tudo o que as equipes podem negociar são a chance de andar em treinos livres às sextas-feiras e alguns poucos testes durante o ano. Acho que consegui bastante disso, mas sei também que não é o suficiente.

“Qualquer piloto que vá encarar um primeiro ano como titular na Fórmula 1 precisa de muita quilometragem, muita experiência. Mas a F-1 atual é assim, é isso que eles oferecem e é preciso maximizar esse aprendizado num prazo muito curto.”

Felipe acredita que ir da GP2 para a Fórmula 1 seja muito melhor para os novatos. “É um carro mais eficiente [GP2] em todos os aspectos: freio, aerodinâmica, resposta ao volante. Mas para quem vem da GP2, como eu, é um passo ideal - e não um grande demais como para quem pula direto da F-3. O carro da GP2 te acostuma melhor. Em especial para essa nova geração dos motores V6 que possuem um torque muito grande. A maior diferença que senti foi em relação aos freios.”

“Competir na GP2 é fundamental, só ficar no carro nesses dias não seria suficiente. Poder correr, fazer largadas, disputas por posições é para me manter em forma. Conciliar as duas atividades ao mesmo tempo só vai me ajudar”, finalizou.
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias FIA F2
Tipo de artigo Últimas notícias