Problemas nas largadas da F2 são passado, diz FIA

compartilhar
comentários
Problemas nas largadas da F2 são passado, diz FIA
Por: Jack Benyon
Co-autor: Adam Cooper
31 de jul de 2018 16:49

Após corridas sem problemas em Hungaroring, Charlie Whiting diz que questões foram completamente solucionadas agora

Diretor de provas da FIA, Charlie Whiting disse que os problemas de largada da Fórmula 2 que têm atormentado os times neste ano com o novo carro são “história", depois de nenhum carro ficar parado no grid nas duas corridas na Hungria no último final de semana .

O novo carro da F2 para 2018 sofreu problemas de embreagem desde o início do ano, assim como problemas de confiabilidade relacionados ao motor turbo da Mecachrome.

O número de pilotos parados nos grids resultou na introdução de largadas em movimento para as corridas no Red Bull Ring e em Silverstone.

No último final de semana em Budapeste, as largadas paradas foram usadas novamente após as correções de embreagem e motor.

"Acho que superamos esse problema agora", disse Whiting após a corrida 2 no domingo. “Eu estava completamente confiante de que poderíamos fazer uma largada normal. Se os pilotos cometem erros, não podemos evitar isso”.

“Nós vimos duas partidas limpas, acho que não precisamos discutir mais sobre isso. É história.”

“Eu acho que as mudanças que foram feitas nos motores, no controle da embreagem e na própria embreagem parecem ter funcionado.”

A F2 foi prejudicada pelo mau tempo no início do ano, que influiu nos testes, e o chefe da categoria, Bruno Michel, disse que as correções iniciais são o resultado de um trabalho contínuo feito durante a temporada.

"É um resultado de muito trabalho duro", disse Michel ao Motorsport.com. "Houve uma melhoria enorme, notamos isso e as equipes perceberam isso”.

“Quando é um carro novo, às vezes leva um pouco de tempo.”

“Nosso carro é muito complexo e o que você deve ter em mente o tempo todo é que estamos fornecendo um carro que está quase funcionando como um Fórmula 1, mas com um centésimo do que um F1 custa.”

“Está ficando mais complexo, há mais eletrônicas, o turbo e a tecnologia está evoluindo muito.”

“Este carro é muito mais evoluído que o anterior, é uma grande mudança. Dallara, Mecachrome e Hewland tiveram que trabalhar juntos para fazer isso funcionar.”

O campeonato fez mudanças no software ao longo da temporada, em uma tentativa de combater alguns dos seus problemas, mas Budapeste foi o primeiro local em que novas peças foram introduzidas.

"Nós fizemos uma mudança física na embreagem, temos uma nova cesta de embreagem com um novo diafragma, o que significa menos atrito", disse o chefe técnico da F2, Didier Perrin. “Isso é melhor para o controle da embreagem”.

“A segunda mudança que fizemos foi no mapeamento do motor, o motor oferece mais torque no ponto preciso da embreagem.”

“Além disso, fornecemos às equipes uma nova configuração de controle da embreagem. A melhora é clara e o feedback das equipes é positivo.”

Próxima FIA F2 matéria
Fuoco é penalizado por não cumprir punição na Hungria

Previous article

Fuoco é penalizado por não cumprir punição na Hungria

Next article

McLaren descarta promover De Vries à F1 em 2019

McLaren descarta promover De Vries à F1 em 2019
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria FIA F2
Autor Jack Benyon
Tipo de matéria Últimas notícias