Agag: A F-E deve sobreviver ao seu próprio sucesso

compartilhar
comentários
Agag: A F-E deve sobreviver ao seu próprio sucesso
22 de dez de 2017 15:36

Na primeira de suas colunas mensais, o fundador da Fórmula E, Alejandro Agag, olha para o futuro do seu campeonato, para garantir que não se torne uma vítima de seu próprio sucesso

Alejandro Agag, Formula E CEO
Alejandro Agag, Formula E CEO, CEO, Formula E, on the grid
Alejandro Agag, Formula E CEO, CEO, Formula E
Sébastien Buemi, Renault e.Dams
Felix Rosenqvist, Mahindra Racing, leads Oliver Turvey, NIO Formula E Team, Sam Bird, DS Virgin Raci
Lucas di Grassi, Audi Sport ABT Schaeffler, leads Neel Jani, Dragon Racing
Kamui Kobayashi, Andretti Formula E
Nelson Piquet Jr., Jaguar Racing
Nicolas Prost, Renault e.Dams, and Sébastien Buemi, Renault e.Dams, on the grid
Sébastien Buemi, Renault e.Dams
Sébastien Buemi, Renault e.Dams
Sébastien Buemi, Renault e.Dams
Sébastien Buemi, Renault e.Dams
Sébastien Buemi, Renault e.Dams leads Jerome D'Ambrosio, Dragon Racing and Neel Jani, Dragon Racing
Jerome D'Ambrosio, Dragon Racing leads Sébastien Buemi, Renault e.Dams & Neel Jani, Dragon Racing
Sébastien Buemi, Renault e.Dams

Quando começamos a quarta temporada da Fórmula E, tenho que admitir que a série excedeu minhas expectativas. Temos vários grandes fabricantes envolvidos na série, com mais a caminho, e outros entrando em contato para expressar interesse. Acho que isso mostra que todo o mundo está se movendo na direção da sustentabilidade e dos veículos elétricos - e rápido.

Como campeonato, ficamos no lugar certo no momento certo. Obviamente, a situação do diesel [o escândalo da Volkswagen] era, de certa forma, uma coisa ruim, mas que nos ajudou, porque ajudou a acelerar a mudança para eletricidade. Enquanto isso, o Acordo sobre o Clima de Paris, em 2015, também empurrou as coisas em nossa direção, também, em termos de mudanças climáticas e as emissões de C02. Essas coisas simplesmente aconteceram, sem o nosso esforço, para promover os carros elétricos.

Um dos desafios para nós agora é manter o controle do campeonato, ao mesmo tempo que manter a nossa equipe de fabricantes. É importante que não cresçamos muito rápido, então acho que o que precisamos fazer é manter as regras que criamos. Existe uma regra muito importante que eu quero manter, que é proteger as equipes privadas. Porque agora temos muitos fabricantes, mas eles podem sair a qualquer momento.

Hoje somos "a próxima grande coisa", mas quem sabe? Há quatro anos, estávamos chamando-os dizendo "por favor, por favor, por favor ..." Agora eles apoiam a Fórmula E por causa do que ela representa. É uma mudança.

A longo prazo, você quer proteger a possibilidade de uma equipe privada poder competir com um orçamento baixo e para isso você cria um sistema e regras que permitem isso. Então você não muda essa estrutura, não importa como os fabricantes investem. Até agora, para ser justo, não sentimos nenhuma pressão negativa. Pelo contrário, na verdade, todos eles estão muito positivos e alinhados.
O importante ainda é para nós manter nossa direção com nossas regras, independentemente da pressão. Então, podemos garantir que tenhamos o controle da série. Temos uma vantagem a este respeito, porque começamos a partir do zero para que pudéssemos trabalharem do nosso jeito. Isso facilita as coisas como controle de custos. Um campeonato como a Fórmula 1 existe há muitos anos e as pessoas têm sua participação e não querem desistir de qualquer vantagem para a qual eles tenham trabalhado.

Os fabricantes na Fórmula E querem vencer e estão preparados para comprometer recursos. Nenhum deles parece entusiasmado ao abrir a tecnologia da bateria, por exemplo. Eu acredito que a bateria deve ser mantida por mais temporadas. E os fabricantes também pensam assim. Todos estão bastante satisfeitos com o controle de custos e, se limitarmos o desenvolvimento da bateria, isso permite que eles mostrem sua tecnologia de outras maneiras.

Em termos de futuro do campeonato, é muito emocionante para nós ter um dos mais importantes ambientalistas do mundo, Christiana Figueres, juntamente com Alain Prost no novo conselho global. É algo enorme para nós e estou realmente muito feliz e grato por ela ter aceitado o cargo.

Christiana é provavelmente a ambientalista mais relevante do mundo. Ela é a mãe do Acordo sobre o Clima de Paris, por isso, para que ela seja presidente do nosso comitê, juntamente com Alain é ótima. Alain, como quatro vezes campeão mundial, traz toda a sua herança de corridas - e isso é importante porque, no final do dia, a Fórmula E é uma categoria de corrida.

Já temos algumas ótimas ideias a esse respeito para a quinta temporada, quando já não estaremos fazendo mudanças de carros no meio das corridas. Provavelmente teremos uma solução envolvendo dois níveis diferentes de energia para uma prova. Um nível seria de "ataque" e outro seria de "economia de energia". O que quer que façamos, temos que garantir que os espectadores compreendam muito claramente o que está acontecendo. Não está nada definido, mas parece que iremos nesta direção. Poderia deixar as corridas muito divertidas.

Longe da pista, estaremos pensando fora da caixa, porque às vezes talvez focamos um pouco demais no dia-a-dia. Sua contribuição será muito, muito importante, pois queremos uma visão mais adiante para ajudar a dar uma direção para a Fórmula E. Não é assim que as corridas são executadas, mas sobre como a Fórmula E pode ir além de apenas um campeonato e se tornar um agente de mudanças positivas no mundo.

A Fórmula E já se tornou uma plataforma para inspirar uma mudança na percepção, uma mudança de atitude e comportamento, e uma mudança na forma como vivemos nossas vidas e influenciamos ativamente o futuro do nosso planeta.

É por isso que competir nos centros da cidade é tão importante para nós e, após quatro temporadas, estamos muito felizes onde estamos. Ainda precisamos ajustar um pouco o calendário e adicionar, por exemplo, uma corrida na China continental. Tivemos muitas conversas sobre isso durante o fim de semana de Hong Kong. O Oriente Médio é outro território futuro para nós e gostaríamos de ter uma corrida no Japão e em Cingapura.

Sempre haverá corridas com complicações nas cidades, como já encontramos este ano com São Paulo e Montreal.

Esta é a nossa vida. Nós corremos em cidades e cidades são como entidades vivas. Não é como uma pista que você pode alugar por 10 anos e você sabe que você tem a data. As cidades mudam. Não é o fim do mundo para nós.

Próxima Fórmula E matéria
Conheça os motivos que fizeram Montreal sair da F-E

Previous article

Conheça os motivos que fizeram Montreal sair da F-E

Next article

Gunther fará teste com a Dragon na Fórmula E

Gunther fará teste com a Dragon na Fórmula E
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Tipo de matéria Conteúdo especial