Di Grassi quer carros “selvagens” da F-E batendo aceleração da F1

compartilhar
comentários
Di Grassi quer carros “selvagens” da F-E batendo aceleração da F1
16 de jan de 2019 20:26

Brasileiro diz que categoria pode ousar mais em desenvolvimento de seus carros a médio prazo

Para Lucas di Grassi, a Fórmula E pode ser muito mais ambiciosa do que é atualmente no desenvolvimento de seus carros. Na quinta temporada, o campeonato acabou de estrear seu carro da segunda geração. Segundo o brasileiro, a categoria deve ousar no lado técnico para superar os carros de Fórmula 1 em aceleração.

“A Fórmula E deve ser o carro de corrida de maior aceleração no mundo”, disse o campeão da temporada 2016-17.

“Tem que acelerar de zero a 200 mais rápido que a F1, mais rápido que o rallycross, mais rápido que todos esses carros. Porque os trens de força elétricos são feitos para aceleração – como o Tesla, como todos esses carros elétricos super rápidos.”

A Fórmula E apresentou seu chassi de segunda geração nesta temporada, mas Di Grassi disse que o carro ainda exigirá mudanças grandes no design.

“Você tem que ir para a tração nas quatro rodas, você tem que ir para uma distribuição de peso diferente, você tem que fazer um monte de coisas diferentes. Você também tem que melhorar os pneus para aumentar a aderência.”

“Você pode, talvez, colocar partes aerodinâmicas móveis. Você pode ser selvagem quanto pensa.”

Di Grassi quer que os designers de Fórmula E usem os aspectos únicos das corridas elétricas para encontrar novas maneiras não convencionais de gerar desempenho.

"O que eu não vejo no momento é as pessoas sendo muito corajosas para tentar adotar a Fórmula E como elétrico puro", disse ele. “Eles ainda seguem os modos tradicionais de pensar no automobilismo, de projetar, de regras esportivas, de regras técnicas”.

“Eu acho que a Fórmula E tem que ser pensada separadamente. O automobilismo está passando por uma transição, vamos usar essa transição para nossa vantagem, em vez de copiar algo que falhou. É assim que eu vejo isso.”

Di Grassi sugeriu que a quantidade de potência produzida pelos carros e até mesmo o número de rodas motrizes permitidas poderiam variar em cada circuito, a fim de atender às pistas mais apertadas da Fórmula E. Os carros mais recentes da Fórmula E produzem até 250 quilowatts (aproximadamente 335 cv), número que ele acredita que precisa aumentar significativamente.

"Eu iria pelo menos com o mesmo motor que temos agora, mas dobraria. 700 cavalos de potência elétrica com o mesmo peso, 900 kg. Aí estaria começando a chegar onde eu gostaria.”

Next article
Massa: Adaptação da Fórmula 1 para Fórmula E “não é fácil”

Previous article

Massa: Adaptação da Fórmula 1 para Fórmula E “não é fácil”

Next article

Red Bull detona Fórmula-E: carro de F3 com bateria de 400kg

Red Bull detona Fórmula-E: carro de F3 com bateria de 400kg
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E