Guerra de baterias "quase dobraria" orçamento da F-E

Líder de projetos da Renault acredita que se for permitido a livre fabricação de baterias, os custos aumentariam quase duas vezes

A Fórmula E atualmente possui um único fornecedor de baterias, a Williams Advanced Engineering, e enquanto a categoria mudará para um modelo da McLaren Advanced Technologies a partir de 2018/2019, a série se compromete a permitir o desenvolvimento aberto da peça após 2021.

Vincent Gaillardot, da Renault, teme uma corrida de desenvolvimento em tecnologia de bateria que aumentaria drasticamente os orçamentos, que estão em menos de €20 milhões para a maioria dos times, aproximadamente R$ 75 milhões.

"Desde o primeiro dia, está bem claro o que é esse campeonato", disse ele ao Motorsport.com. "É tecnologia elétrica, mobilidade elétrica somente, e é aqui que devemos lutar.”

"Para controlar os custos, não devemos realmente permitir qualquer liberdade em todas as outras áreas. Toda vez que discutimos com a FIA, o promotor e os fabricantes, colocamos na mesa todos esses itens e tentamos identificar se é o momento certo ou não para competir.”

"O desenvolvimento da bateria por conta própria é bastante caro, principalmente para o lado da homologação, porque você precisa realizar testes de colisão. O número de amostras que você precisa construir e o tempo para fazer a homologação são enormes.”

"É um grande custo e nem sequer falo sobre o desenvolvimento de células. Comparado com o orçamento de desenvolvimento atual, é quase o dobro."

A F-E atual tem vários fabricantes e eles serão acompanhados por BMW, Mercedes e Porsche nos próximos dois anos.

A Renault será substituída por seu "parceiro estratégico" a Nissan na próxima temporada, e o investimento que realizou em equipe e tecnologia deverá ser transferido.

"Ainda não há tantas empresas que possuem essas tecnologias", disse Gaillardot. "Temos alguma experiência aqui, a Audi poderia ter alguns do WEC, mas alguns concorrentes não têm essa experiência. Isso poderia criar algum tipo de desequilíbrio, e conhecemos os custos.”

"Queremos abrir a concorrência das baterias porque isso faz parte da mobilidade elétrica, mas precisamos cuidar do campeonato."

A Jaguar se juntou à F-E para a temporada 2016/2017 e assinou um acordo de patrocínio com a Panasonic, que é entendida como interessada em explorar a tecnologia da bateria.

No entanto, o diretor da equipe da F-E, James Barclay, acredita que garantir a saúde da série é mais importante do que um passo tecnológico dramático.

"Se abrimos a tecnologia muito cedo, isso poderia ser uma coisa realmente prejudicial para este campeonato", disse ele ao Motorsport.com.

“Temos muito o que fazer do ponto de vista do desenvolvimento. O que preferimos é um campeonato com 10 equipes saudáveis, 12 equipes saudáveis no futuro, que realmente possam competir de perto.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula E
Tipo de artigo Últimas notícias