Para BMW, carros da F-E não precisam ser mais velozes

Segundo Jens Marquardt, diretor esportivo da BMW, Fórmula E deve focar na interação com o público em vez de se preocupar em aumentar a velocidade dos carros da categoria

A BMW entrou nesta temporada na Fórmula E, em uma parceria com a Andretti. Para a marca alemã, o motivo pelo qual a categoria recebe mais críticas - as baixas velocidades se comparada a outros campeonatos de monopostos - não deve ser motivo de preocupação.

Ainda que a F-E tenha planos de aumentar a potência dos carros nos próximos anos - hoje, os carros são eletronicamente limitados a 225 km/h - Jens Marquardt, diretor esportivo da BMW, crê que não há tal necessidade, especialmente ao levar em consideração o fato de a categoria correr em centros urbanos.

Para o alemão, o potencial de crescimento da categoria reside em aproveitar as oportunidades em áreas como a interatividade com os fãs e nas corridas virtuais. "É importante para a F-E manter o foco em correr em cidades grandes, que é onde as pessoas estão. O programa curto, mas empolgante, casa perfeitamente com a vida moderna", disse.

"Além disso, você tem muita interatividade com os fãs, simuladores e toda a parte virtual. É ali que o verdadeiro potencial da F-E está, não é andar mais rápido, ser maior e mais abrangente. "O ponto é que estes carros não podem ser mais velozes neste tipo de pistas com os níveis de segurança oferecidos. Não precisamos de mais velocidade, o verdadeiro potencial está na parte virtual", afirmou.

"Em alguns anos, talvez, os fãs irão disputar a F-E virtualmente enquanto as estrelas correm no mundo real. Isto é muito mais importante do que a diferença de andar a 250km/h ou 180km/h nas retas", acrescentou.

Unidade motriz própria prevista para a quinta temporada

Marquardt também deixou claro que a BMW quer produzir a própria unidade motriz para a quinta temporada F-E, quando a categoria deve deixar de lado a troca de carros no meio das provas.

"Estamos trabalhando juntos com a Andretti e tem sido cada vez melhor. Estamos aprendendo muito, o que é importante para a quinta temporada, quando queremos ter uma unidade motriz da BMW no carro", disse.

"Precisamos entender muitas coisas para estarmos pronto para tal passo. No momento, ajudamos com simuladores e processamento de dados em Munique. Além disso, temos pessoas na sede da equipe para dar o apoio necessário. Um funcionário sempre está lá, mas às vezes colocamos dois ou até três. Depende da necessidade", completou.

Reportagem adicional por Stefan Ehlen

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula E
Equipes Andretti Autosport
Tipo de artigo Últimas notícias