Criador do HANS, Robert Hubbard morre aos 80 anos

compartilhar
comentários
Criador do HANS, Robert Hubbard morre aos 80 anos
Por:
6 de fev de 2019 14:34

O Dr. Robert Hubbard, engenheiro por trás do dispositivo HANS que salvou muitas vidas no automobilismo nos últimos tempos, faleceu nesta última terça-feira aos 80 anos de idade.

Hubbard, que foi professor de ciência e mecânica de materiais na Michigan State University até sua aposentadoria em 2006, concebeu o dispositivo HANS em colaboração com seu cunhado e piloto do IMSA, Jim Downing.

Embora tenha levado algum tempo para que seu trabalho pioneiro fosse aceito nas corridas, o HANS tornou-se equipamento obrigatório em muitas categorias. Mas Hubbard estava intimamente envolvido na segurança rodoviária muito antes de desenvolver o HANS.

Ele completou seu doutorado em propriedades mecânicas do osso do crânio enquanto trabalhava no Instituto de Pesquisa de Segurança Rodoviária da Universidade de Michigan, e nos anos 70 trabalhou na General Motors, pesquisando sobre lesões e desenvolvendo bonecos de testes de colisão.

O HANS nasceu quando Downing e Hubbard perceberam que os pilotos estavam sendo mortos em acidentes de corrida porque suas cabeças não estavam sendo seguradas, o que levava a fraturas na base do crânio.

A perda do amigo de Downing, Patrick Jacquemart – que bateu seu Renault 5 Turbo em Mid-Ohio em 1981 – foi a força motriz por trás de sua busca por uma solução.

Sua pesquisa foi realizada com fundos limitados, com apenas uma pequena concessão de negócios do estado de Michigan. Depois de algumas experiências iniciais, Hubbard entrou com uma patente em 1985, e depois Downing correu com um protótipo do primeiro modelo do HANS pela primeira vez no final da temporada do IMSA em Daytona, em novembro de 1986.

Hubbard e Downing enfrentaram resistência, mas persistiram e gradualmente aperfeiçoaram sua invenção em algo mais prático do que o volumoso dispositivo original.

Testes pioneiros em trenós realizados com colegas engenheiros acadêmicos da Universidade Wayne State, em Detroit, ajudaram Hubbard a compilar trabalhos de pesquisa que demonstraram formalmente o valor do HANS.

O primeiro exemplar de produção foi vendido em 1991, e como palavra do seu potencial de propagação, a General Motors e depois Ford contribuíram para a pesquisa.

As mortes de Ayrton Senna e Roland Ratzenberger no GP de San Marino em 1994 levaram a um foco renovado pela segurança na F1, e o interesse no HANS por parte do professor Sid Watkins e por parte da FIA.

Gerhard Berger testou uma versão na Ferrari já em 1995.

Apoiado por testes extensivos feitos pelo engenheiro da Mercedes Hubert Gramling – que abandonou a pesquisa sobre o airbag que vinha conduzindo em conjunto com a FIA – o HANS foi oficialmente adotado na F1 em 2003.

O HANS já tinha se tornado obrigatório na ChampCar, embora na época ainda houvesse alguma resistência em outras categorias norte-americanas.

A morte de Dale Earnhardt Sr na Daytona 500 de 2001 mudaria isso. O HANS já tinha presença na NASCAR após uma série de acidentes – vários pilotos já estavam usando em Daytona na ocasião, mas a perda da maior estrela do esporte foi decisiva.

Downing lembraria mais tarde que as vendas da HANS passaram de 250 em sua criação para 250 em uma semana. 3000 peças foram vendidas até o final daquele ano.

Varios HANS en un garaje de F1

Varios HANS en un garaje de F1

Photo by: Sutton Images

Next article
Documentário traz histórias por trás de fotos icônicas da F1

Previous article

Documentário traz histórias por trás de fotos icônicas da F1

Next article

CEO da Fórmula E se torna sócio e presidente da nova joint-venture EV Network

CEO da Fórmula E se torna sócio e presidente da nova joint-venture EV Network
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Geral
Autor Adam Cooper