Acidente de Wilson põe em discussão cockpit fechado na Indy

Discussão de introdução de aparato que proteja a cabeça dos pilotos volta à tona após incidente envolvendo o britânico, que segue em coma

O grave acidente envolvendo Justin Wilson durante as 500 Milhas de Pocono no último domingo (23) colocou novamente em pauta um assunto que divide opiniões nas categorias de monopostos: cockpits cobertos. O britânico, atingido na cabeça por um pedaço do carro de Sage Karam durante a prova do último domingo, segue em coma e em estado crítico.

Ryan Hunter-Reay, vencedor da prova em Pocono, afirmou ao site do diário Indystar que há sempre o risco de lesões na cabeça em carros abertos, mas espera que a categoria encontre algum tipo de solução em prol da segurança e não descaracterize demais os bólidos da Indy.

"Em monopostos, o risco para a cabeça do piloto é inerente. No futuro, talvez possamos desenvolver algum tipo de proteção. Já vimos algumas projeções conceituais a respeito – não uma proteção total, como as de um caça, mas algo que nos dê mais segurança e, ao mesmo tempo mantenha a tradição do esporte", disse.

A Indy começou a discutir a cobertura dos cockpits após o acidente sofrido por James Hinchcliffe durante o GP de Indianápolis, em maio de 2014, quando detritos atingiram o capacete do canadense, que acabou sofrendo uma concussão. Na F1, a discussão veio à tona após o acidente envolvendo Jules Bianchi no GP do Japão do ano passado – o francês ficou em coma durante meses e morreu em julho deste ano.

LEIA MAIS:
Com pé atrás, Barrichello diz que F1 com cockpit coberto é incógnita

Derrick Walker, presidente de operações da Indy, afirmou que prefere uma cobertura parcial em detrimento de uma cobertura total. Na opinião de Walker, a cobertura parcial protegeria os pilotos e não influenciaria no tempo de saída do carro em caso de acidente. Entretanto, o dirigente indicou que qualquer tipo de mudança só estaria disponível na próxima geração de carros da categoria.

"Sair do carro rapidamente é extremamente importante, então a cobertura parcial parece ser um passo lógico. No entanto, adaptar isso ao chassi atual seria uma tarefa muito complicada, isso precisa ser parte do projeto inicial. Como uma a nova geração da Dallara deve vir em 2018, deve ser a oportunidade ideal para implementar o item”, disse Walker.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Pilotos Justin Wilson , Ryan Hunter-Reay
Tipo de artigo Últimas notícias