Carlin espera "nascimento difícil" na Indy em 2018

Trevor Carlin diz que sua equipe provavelmente terá um "nascimento difícil" na temporada da Indy porque ele estima que está atrasado em seis semanas

A equipe Carlin anunciou que vai entrar na IndyCar com dois carros, guiados por Charlie Kimball e Max Chilton depois de trabalhar em um acordo durante a temporada de 2017.

Trevor Carlin, dono da equipe, disse ao Motorsport.com que os atrasos em relação aos contratos e o financiamento o colocou um passo atrás, mas sua equipe comprou os carros e o equipamento necessário, enquanto ele acreditava que ele iria recuperar o atraso.

"Bem, nós sempre tivemos um prazo que precisávamos confirmar que estávamos fazendo IndyCar em agosto antes da temporada", disse ele.

"Na verdade, levou mais tempo do que o planejado para concluir os contratos e financiar, daí o anúncio. Enquanto isso, nós compramos carros, equipamentos e empregamos pessoas. Perdemos o tempo, cerca de seis semanas, estamos fazendo tudo o que podemos para recuperar o atraso”.

"Porque é um carro novo [aerokit] há limitações de peças da Dallara. Será um nascimento difícil, mas teremos os dois carros em São Petersburgo".

Carlin disse que o negócio se juntou rapidamente, uma vez que sabia que o mercado deixava dois ex-pilotos da Carlin disponíveis.

"Começamos a ter um indício de pilotos que poderiam estar no mercado. Houve rumores de que a Ganassi diminuiria de quatro para dois carros no próximo ano e colocaram instantaneamente dois pilotos [Chilton e Kimball] no mercado".

"Tudo começou a se colocar no lugar muito rapidamente, os patrocinadores foram alinhados e queriam se juntar, então nós lhes demos um prazo até setembro e obtivemos compromissos verbais. No final da temporada 2017 estávamos prontos para iniciar o processo".

Domínio de Chevrolet tornou acordo simples

Carlin acredita que, enquanto a Honda é a opção "elegante", fez sentido a parceria com a Chevrolet, pois tem sido dominante na Indy.

O motor da Chevrolet ganhou mais corridas do que o da Honda nos últimos dois anos, apesar de o fabricante japonês se recuperar de apenas duas vitórias em 2016 para conquistar sete vitórias em 2017.

A Honda venceu as duas últimas 500 Milhas de Indianapolis, mas Carlin espera que a Chevrolet continue a ser o motor mais forte, mesmo com a substituição pelos kits aerodinâmicos universais.

"Nós falamos com ambos, você tem que fazer sua diligência, e a maneira como eu vi as coisas no final, era que a Honda parecia ser o que tínhamos, todos estavam dizendo o quanto a Honda tinha".

"Para mim, o que eles não parecem notar foi que a Chevy que ainda estava ganhando os campeonatos, e uma empresa como Chevy não vai dimunir o ritmo, mesmo as pessoas dizendo que a Honda tem um motor melhor”.

"Então eu imaginei e fiquei informado de que a Chevy trabalhou muito durante os meses de inverno e estará pelo menos junto se não à frente da Honda, então estou bastante animado".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Pilotos Charlie Kimball , Max Chilton
Equipes Carlin
Tipo de artigo Últimas notícias