Coluna do Pietro Fittipaldi: Correndo com os feras da Indy

Em sua coluna exclusiva para o Motorsport.com, Pietro Fittipaldi fala sobre sua estreia na Indy na primeira corrida de monoposto em um circuito oval

No último fim de semana fiz minha estreia na Indy em Phoenix, no ISM Raceway. Tivemos três dias de testes em fevereiro na pista para acelerar, aprender o máximo e é isso que mais me preparou.

Tive uma experiência oval no passado quando corri com Late Models na NASCAR em 2011 e 2012, mas foi muito diferente. Eu só guiei um NASCAR em pistas de meia milha, ovais muito curtos.

Em um monoposto, você está indo em alta velocidade e comparado à NASCAR, você tem que ser muito mais preciso. Na NASCAR, o carro é mais pesado, você pode forçar mais. Você não pode fazer o mesmo na Indy em um oval ou muito provavelmente você vai bater.

Eu tenho muitos membros da família com experiência na Indy em ovais e no fim de semana eu tive meu avô [Emerson], meu primo [Christian] e meu tio [Max Papis] falando comigo.

Eu também tive um bom amigo, Oriol Servia, que correu na Indy no passado e que vai estar na Indy 500 deste ano, me ajudando. Foi muito bom tê-lo lá e me atualizar com todos os procedimentos de um fim de semana de corridas da Indy.

Pietro Fittipaldi, Dale Coyne Racing with Vasser-Sullivan Honda

Foto: Scott R LePage / LAT Imagens

Eu também gostei muito de trabalhar com minha equipe, a Dale Coyne Racing, especialmente meu engenheiro Michael Cannon. Ele está fazendo um ótimo trabalho só para me ajudar a acelerar, porque é uma mentalidade muito diferente da Europa.

Você faz muito mais mudanças na configuração do carro da Indy do que faria na Europa. Configurar o carro para ovais é muito diferente, porque você só vira de um lado e você tem uma pista inclinada. Os pneus do lado direito são geralmente maiores que os pneus do lado esquerdo.

Normalmente, em um percurso misto, você mudaria as coisas em conjunto, se você fizer uma mudança de mola dianteira, você muda a mola esquerda e direita juntas para que elas tenham a mesma rigidez.

Nos ovais, você não muda as duas molas dianteiras. Você não olha para frente e para trás; você olha para ele como frontal esquerdo, frontal direito, traseiro direito e traseiro esquerdo.

O carro está desequilibrado com peso, na reta você está sempre virando um pouquinho para a direita por causa de como o carro está montado e o desequilíbrio dos pneus.

O fim de semana foi muito difícil porque a pista mudou muito desde fevereiro. Foi muito mais quente.

Indo para o fim de semana na sexta-feira, você tem uma sessão de treinos de 60 minutos, durante os quais você só tem duas ou três chances porque ninguém quer sair no começo quando a pista está suja.

Quando você acaba saindo, você tem apenas 30 minutos e vai direto para a fase de classificação. Mas a classificação foi muito boa, fiquei em 10º lugar e meu companheiro de equipe, Sebastien Bourdais, estava na pole.

Eu era o quinto carro a sair e as temperaturas estavam baixando, mas eu nunca soube o quão rápido a pista estava. Eu não tive tempo de descobrir, tive que fazer duas voltas rápidas e voltar aos boxes na a classificação. Tudo acontece muito rápido.

Eu disse ao time depois da minha vez que, se nada acontecer, Sebastien, que foi o último carro a sair, poderia ser o pole, e ele conseguiu.

Eu senti como se pudesse ir mais rápido, mas é porque eu fui um dos primeiros carros a sair. De qualquer forma, foi uma classificação muito boa, a equipe me deu um ótimo carro.

Pietro Fittipaldi, Dale Coyne Racing Honda

Foto: Phillip Abbott / LAT Imagens

O objetivo da corrida era terminar e ganhar o máximo de experiência possível, particularmente porque eu vou correr em Indianápolis e Phoenix seria um bom treino para a Indy 500.

Na segunda volta eu perdi uma posição, estava correndo em 11º, mas estava bastante confortável e senti que tínhamos um carro realmente bom.

Eu estava atrás de Ed Jones e os nove primeiros carros ficaram longe de nós porque pegamos um pouco de tráfego e eu e Ed demoramos um pouco para chegar ao carro da frente.

Depois que Ed passou, eu também passei o carro na mesma volta ou uma volta depois. Então pegamos os líderes muito rápido de cinco a oito voltas, porque eles também estavam atrás de muitos retardatários, então o ritmo deles estava muito lento.

O problema era que, assim que eu chegava atrás do trem de carros com meus pneus de 40-45 voltas, eu simplesmente entrava na curva 3 e 4 normal e eles diminuíam a velocidade mais do que eu esperava.

Perdi completamente a aderência dianteira, fiquei muito perto de Ed na entrada e fui sugado no vácuo e com os pneus mais velhos que o carro não segurava.

Eu recebi um empurrão na frente e eu estava fora da linha onde todas as sujeiras estavam e então eu virei passageiro.

Não foi nem um acidente, eu apenas bati no muro, mas eu não pude continuar.

Normalmente, quando você quebra na Indy nos ovais, o que eu ouvi, e espero que eu nunca experimente, você realmente sente o impacto, é muito pesado. Por sorte, desta vez eu apenas bati no muro.

Pietro Fittipaldi, Dale Coyne Racing Honda

Foto: Michael L. Levitt / LAT Imagens

No final, foi difícil para nós terminarmos a corrida porque eu sinceramente senti que poderíamos ter pelo menos um top-10 sólido, talvez um top-5.

Agora é difícil dizer, porque não terminamos, mas senti que o carro estava muito bom e estava ansioso para fazer toda a corrida. O principal objetivo do fim de semana foi fazer uma boa estreia, mas também aprender o máximo possível, e foi o que eu fiz.

Estou muito feliz por termos conseguido mostrar um bom ritmo no top-10 na classificação e na corrida com o grupo dos 10 primeiros ao longo da primeira parte da corrida.

Isso me dá confiança para a Indy 500, mas, novamente, isso é um superspeedway, é muito diferente. Eu terei muitos dias de teste na semana anterior às 500 Milhas para aprender o máximo que puder. A Dale Coyne correu muito bem no ano passado, acredito que voltaremos a ser competitivos.

Antes disso, meu próximo fim de semana de corrida será em Suzuka com a Super Fórmula no dia 22 de abril.

Não tenho certeza do que esperar. Como piloto, obviamente, eu quero vencer todas as corridas e nós estávamos correndo bem nos testes, estávamos entre os oito primeiros no último dia.

Acho que temos que chegar a Suzuka e dar o nosso melhor, mas estou confiante e o objetivo é conseguir pódios e tentar ter vitórias neste ano.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Evento Phoenix
Pista ISM Raceway
Pilotos Pietro Fittipaldi
Equipes Dale Coyne Racing
Tipo de artigo Conteúdo especial