Hunter-Reay: Phoenix será mais interessante em 2018

compartilhar
comentários
Hunter-Reay: Phoenix será mais interessante em 2018
David Malsher
Por: David Malsher
Traduzido por: Daniel Betting
21 de fev de 2018 20:57

O downforce reduzido e os pneus que se degradam mais rapidamente resultarão em uma corrida melhor no ISM Raceway de Phoenix do que nos dois últimos anos, de acordo com Ryan Hunter-Reay

Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda marbles on tire in parc ferme
Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda
Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda
Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda
Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda
Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda pit stop
Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda
Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda

O ISM Raceway, anteriormente chamado Phoenix International Raceway, voltou ao calendário da IndyCar em 2016 após um hiato de 11 anos, mas os aerokits dos fabricantes de carros forneceram tanta força aerodinâmica que os pilotos faziam as curvas acelerando.

A falta de guinada dos carros também manteve os pneus intactos ao longo de um stint, e o resultado foi que a corrida no oval de 1,022 milha foi pobre nos últimos dois anos.

Além disso, o layout do circuito também favoreceu fortemente os carros com motor da Chevrolet, uma vez que o aerokit projetado pela Pratt & Miller criou menos arrasto que o pacote da rival HPD/Wirth-penned.

No entanto, após o teste aberto de dois dias em Phoenix, o campeão IndyCar de 2012 e vencedor da Indy 500 de 2014, Ryan Hunter-Reay, diz que o GP de Phoenix deste ano deverá ser muito mais interessante nesta temporada do que em suas duas edições anteriores.

"Haverá mais ultrapassagens do que no ano passado", disse ao Motorsport.com. "A segunda metade da vida do pneu em cada período é quando toda a ação vai ocorrer, porque os pneus não duram tanto quanto o combustível. Isso não é culpa da Firestone, por sinal; esse é o caminho que escolhemos tomar”.

"Uma vez que pegar um tráfego mais lento, o grupo irá empilhar e depois, se você não conseguir completar a ultrapassagem na primeira tentativa, o cara que está atrás de você ganhará impulso e tentará aproveitar. E com todos com menor pressão aerodinâmica e menor aderência, haverá erros".

No entanto, Hunter-Reay acrescentou que uma segunda linha se abrirá "apenas se os pilotos se juntarem e concordarem em tentar usar essa segunda linha e continuarem a usando".

Perguntado sobre a probabilidade de tal consenso entre os pilotos, Hunter-Reay riu e disse: "Exatamente. De jeito nenhum; absolutamente não!”

"O caminho mais rápido na pista é a linha inferior, mas quando você atinge o tráfego pesado, ter essa segunda linha seria excelente. Mas não, não vejo com realismo que podemos fazer isso. Teremos que assumir o risco".

"Com o downforce reduzido, a entrada para a curva 1 é um pouco diferente, porque você não pode simplesmente fazê-la e esperar que o carro fique. Você levanta o acelerador, e tem que ter cuidado com a forma como você coloca o carro na entrada e onde isso o coloca no ápice”.

Próxima IndyCar matéria
RLL revela pintura do carro de Graham Rahal para GP do Texas

Previous article

RLL revela pintura do carro de Graham Rahal para GP do Texas

Next article

Ed Carpenter revela cores do carro de Pigot para St. Pete

Ed Carpenter revela cores do carro de Pigot para St. Pete
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria IndyCar
Pilotos Ryan Hunter-Reay
Equipes Andretti Autosport
Autor David Malsher
Tipo de matéria Últimas notícias