Ingo sobre Rubens: "Acho que ele fez o certo, mas oval é muito perigoso"

Em conversa ao TotalRace, o ex-piloto de F-1 e maior campeão da Stock conta o que achou da ida de Barrichello para a Indy

Em entrevista exclusiva ao TotalRace, Ingo Hoffmann opinou sobre a ida de Rubens Barrichello para a Fórmula Indy. O 'alemão', como é carinhosamente conhecido, comentou achar que Rubinho está dando certo nos Estados Unidos, mas afirmou que também fica um pouco receoso com os ovais: são "absurdamente perigosos".

"Ele tem muito potencial lá, mas a equipe que ele está não é a das melhores", disse Hoffmann, que é ex-piloto de Fórmula 1 da equipe Copersucar Fittipaldi e 12 vezes campeão da Stock Car, um recorde absoluto.

"Ele tem que usar esse ano para aprender todas as manhas. Pois, na verdade, é uma característica nova, uma categoria nova, que anda em ovais... Um dia, se contar com a sorte, ele se projeta para andar em uma equipe grande, como a Ganassi, Penske. Acho que ele está super bem", revelou ao TotalRace.

Mesmo acreditando que o caminho trilhado por Rubens após sair da Fórmula 1 seja acertado, Ingo ainda fica com o pé atrás por causa dos ovais, que segundo o próprio, são perigosos.

"Só ele poderia dizer se foi uma decisão acertada, ou não. Nós não sabemos o que passa na cabeça de cada um. Olhando pelo lado de fora, acho que ele fez a coisa certa, apesar de achar também que essas coisas de andar em oval lá são absurdamente perigosas. Também acho que na posição que ele está no automobilismo internacional, ele não precisaria 'colocar o pescoço' em risco andando naqueles ovais que a Fórmula Indy corre", disse.

Ingo disse também que nunca se interessou em andar na categoria, elogiando seu amigo Emerson Fittipaldi por abrir as portas dela num momento em que a carreira do 'alemão' já estava focada no automobilismo nacional.

"Nunca tive contato com a Indy. A categoria naquela época estava fora do contexto dos brasileiros. Quem abriu a porta, mais uma vez, foi o Emerson. Ali ele mostrou mais uma vez o caminho para alguém. Na minha época nem existia essa coisa de Fórmula Indy como opção."

"Não me arrependo de nada na minha carreira. Passei por momentos difíceis quando vi que minha vida profissional internacional não ia para frente, e tive que voltar para o Brasil em 1979, quando comecei na Stock Car. Também acredito que fiz uma carreira maravilhosa aqui no Brasil", finalizou Ingo.

Nesta sexta o TotalRace continua a conversa com Ingo Hoffmann. Desta vez, estarão em pauta os atuais pilotos brasileiros na Fórmula 1: Felipe Massa e Bruno Senna.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Tipo de artigo Últimas notícias