Kanaan lamenta fim da KV: "não queria vê-los partir"

Tony Kanaan, que venceu 500 Milhas de Indianápolis com equipe há quatro anos, diz que só está na Ganassi pelo que alcançou com o time de Jimmy Vasser

A KV Racing durou 14 anos, vencendo sete corridas neste período. Uma delas foi a edição de 2013 das 500 Milhas de Indianápolis, com Tony Kanaan ao volante.

Entretanto, após uma tentativa sem sucesso de estabelecer uma parceria com a Carlin para conseguir Mikhail Aleshin e o patrocínio da SMP, o time de Kevin Kalkhoven e Jimmy Vasser foi obrigado a fechar as portas - os equipamentos do time vão a leilão em março. Kanaan, que levou a equipe ao grande momento nestas 14 temporadas, lamentou o fim do time.

"É estranho e triste ver um time acabar, independentemente de quem trabalha lá. Mas para mim este caso é diferente com este time - vencemos a maior corrida de nossas vidas juntos, sofremos bastante juntos e me lembro do que passamos para chegar onde chegamos. Para ser honesto, só estou na Ganassi hoje porque venci aquela corrida", disse.

"Então é triste... mas, infelizmente, o mundo das corridas é assim, equipes vêm e vão. Mas, do fundo do meu coração, não queria vê-los partir", afirmou.

James Hinchcliffe, que pilotou para a Newman/Haas no último ano do time, em 2011, acrescentou: "Como Tony disse, é meio que algo que acontece em nosso esporte. São ciclos, grandes times apareceram e desapareceram durante os anos e, infelizmente, a KV acabou."

“Isso não significa que eles não vão aparecer novamente. Jimmy é um competidor nato e eu não me surpreenderia se ele voltasse o mais breve possível. Espero que ele consiga, pois é um grande personagem e parte enorme do esporte, completou.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Pilotos Tony Kanaan
Equipes KV Racing Technology
Tipo de artigo Últimas notícias