Kanaan: Temporada 2018 foi a pior da minha carreira na Indy

compartilhar
comentários
Kanaan: Temporada 2018 foi a pior da minha carreira na Indy
Por: Daniel Betting
27 de set de 2018 19:32

Em entrevista ao Motorsport.com Brasil, campeão da Indy em 2004 e vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 2013 disse que este foi o seu pior ano em termos de resultado de sua carreira

Matheus Leist, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet, Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet
Tony Kanaan, A.J. Foyt Enterprises Chevrolet

A temporada de 2018 da Indy foi a primeira de Tony Kanaan como piloto da A.J. Foyt, equipe que contará com o piloto até 2020, depois de quatro anos correndo pela poderosa Chip Ganassi Racing.

Em entrevista ao Motorsport.com Brasil, Kanaan disse que quando assinou com o time, sabia que o ano de 2018 não seria dos anos mais fáceis, por isso, ele e equipe preferiram focar seus esforços na preparação para as 500 Milhas de Indianápolis.

“Foi uma temporada muito difícil. Não que eu não soubesse que seria, pois quando assinei com a A.J. Foyt sabia que a gente teria muito trabalho. Foi um ano de reconstrução e de reformulação da equipe dentro da equipe. Mas foi um ano de aprendizado para que a gente possa melhorar no ano que vem. Como disse antes, quando assinei já sabia que a equipe estava com muitos problemas, mas tivemos uma Indy 500 muito positiva e se não tivéssemos aquele problema do pneu furado estaríamos brigando pela vitória”, disse.

Leia também:

Na edição deste ano da mítica prova, Kanaan largou em décimo, chegou a andar entre os primeiros, mas um pneu furado a 12 voltas do fim tirou o brasileiro da prova quando ele ocupava a 13ª posição.

“Não tivemos muito tempo para trabalhar o carro para circuitos mistos, de rua ou ovais curtos e quando eu peguei a mão da coisa, em outubro, junto com o meu engenheiro, concentramos todas as nossas forças nas 500 Milhas de Indianápolis, porque é a corrida mais importante do ano. Foi exatamente o que a gente fez em 2013, no ano em que eu ganhei”, completou.

Kanaan, que corre na Indy desde 1998, incluindo o período da Cart, que foi campeão da categoria em 2004, quando corria pela Andretti Racing, e venceu a Indy 500 pela KV Racing, disse que a temporada de 2018 foi a pior de toda sua carreira na Indy, mas que a equipe já está trabalhando para entrar forte em 2019.

“Posso dizer que foi o pior ano em termos de resultado da minha carreira inteira na Indy. Mas já era esperado e agora é continuar com a cabeça erguida e começar a trabalhar para 2019. Eu já fui na equipe e já estamos nos mexendo para que a gente consiga melhorar em alguns sentidos. Ainda precisamos de um cara de amortecedor e de mais um engenheiro para ajudar. Não é nada de equipamento, pois nesse sentido na Indy é tudo muito igual.”

Férias?

Mesmo após o fim da temporada, que coroou Scott Dixon, ex-companheiro de Kanaan na Ganassi, com o pentacampeonato, Kanaan afirma que o trabalho de verdade começa agora na A.J. Foyt.

“Nada de férias. Estou trabalhando na equipe direto. Uma das razões para eu estar aqui em Indianápolis é o fato de eu ter um escritório na equipe para ajudar na contratação de pessoas. Tenho também um treino em Indianápolis para testar pneus e aerodinâmica para o ano que vem, com só cinco carros na pista no dia 17 de outubro. Corrida é diversão, o trabalho começa agora.”

Próxima IndyCar matéria
Prefeito de Indianápolis proclama o "Dia de Scott Dixon"

Previous article

Prefeito de Indianápolis proclama o "Dia de Scott Dixon"

Next article

Rosenqvist é confirmado como piloto da Ganassi em 2019

Rosenqvist é confirmado como piloto da Ganassi em 2019
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria IndyCar
Pilotos Tony Kanaan
Equipes A.J. Foyt Enterprises
Autor Daniel Betting
Tipo de matéria Entrevista