"Para Indy 500, sétimo, oitavo, 13º é praticamente igual", diz Bia

Em entrevista exclusiva ao TotalRace direto de Indianápolis, brasileira afirma ter ficado positivamente surpresa com 5ª fila

Bia Figueiredo

Por Luis Ferrari, enviado especial a Indianápolis

Em sua terceira participação na Indy 500, Bia Figueiredo conta ter ficado positivamente surpresa com sua 13ª posição no grid.

É apenas a segunda corrida da piloto na temporada 2012, e ela superou três carros da Ganassi –incluindo o do atual campeão da categoria, Dario Franchitti, vencedor de duas edições da prova mais tradicional da Fórmula Indy.

Bia recebeu o TotalRace com exclusividade na garagem da equipe Andretti na tarde desta quarta. Falou sobre as dificuldades em competir sob altas temperaturas –a previsão aponta que os termômetros podem ir além dos 30ºC no domingo–, sobre os planos para o restante da temporada e mesmo para o ano que vem. E deixou claro: “o foco é continuar na Indy, de preferência, na Andretti uma temporada inteira”.

TOTALRACE: Bia, qual sua expectativa para a corrida deste domingo?

BIA FIGUEIREDO: A expectativa é boa, a gente está numa boa oportunidade com a Andretti Autosport, uma equipe que já venceu essa corrida em várias outras ocasiões. E o time está bem. O mês inteiro os carros estiveram rápidos. Tivemos alguns problemas, mas fomos recuperando e chegou perto dos companheiros de equipe no final dos treinos de classificação. Então acho que a gente tem um bom carro para a corrida e isso vai ser importante para tentar disputar essa vitória.

TOTALRACE: Considerando as dificuldades de São Paulo, que foi sua primeira corrida no ano e numa pista absolutamente diferente daqui, você esperava se classificar abrindo a quinta fila?

BIA FIGUEIREDO: Díficil dizer, até porque eu estava com um grupo de mecânicos novo. O carro foi preparado pela Andretti mas sempre tem alguns procedimentos que a própria Andretti tem e que meu time não tem, até por ser um time diferente. Então acho que foi uma boa classificação. No começo do mês se você me perguntasse sobre 13º eu ia falar que seria muito bom. Nos treinos de quinta e sexta feira, quando achamos boa velocidade, eu tinha até a expectativa de entrar entre os dez, porque a gente tinha velocidade para isso. Mas perdemos um pouco no treino classificatório e ficamos fora do top-10. Mas para Indy 500, sétimo, oitavo, 13º é praticamente igual. É uma corrida muito longa e de paciência. Precisamos ter uma estratégia boa, com todos os pit-stops funcionando direito, para a gente chegar à parte final realmente com chance de brigar.

TOTALRACE: Já dá para ter uma ideia em termos de estratégia para a corrida, se vão ser mais conservadores no início ou tentar avançar no pelotão logo de cara?

BIA FIGUEIREDO: No começo tem que ter paciência. Mas é claro que se eu tiver oportunidade de fazer ultrapassagem na largada obviamente eu vou tentar fazer. Mas sempre com muito cuidado, tendo certeza. A corrida é muito longa e é preciso passar bem pelas primeiras voltas, pelas relargadas que geralmente são meio tumultuadas... Mas se tiver chance de ultrapassar claro que eu vou tentar.

TOTALRACE: Tem feito muito calor aqui em Indianápolis nos últimos dias e a previsão é de mais ainda no dia da corrida. Como isso afeta sua preparação física e o ajuste dos carros para a prova?

BIA FIGUEIREDO: Influencia bastante. Preparação física eu tenho. Mas é mais um desgaste de calor mesmo, o corpo esquenta mais, transpiro mais e dá aquela moleza daquele calorão – o que não é muito legal. E o carro também muda. O piso quente deixa o carro mais escorregadio, com menos aderência e isso muda um pouco a forma de guiar. É preciso ter mais cuidado.

TOTALRACE: Podem acontecer mais quebras no domingo em função da temperatura elevada?

BIA FIGUEIREDO: Não mais quebras, mas é mais fácil cometer mais erros: não vai ter tanto grip na pista e se tiver algum piloto sem o melhor preparo físico pode ser que ele sofra um pouco no final da prova.

TOTALRACE: E em relação ao restante do ano, Bia? Dá para pensar além deste final de semana?

BIA FIGUEIREDO: Lógico que eu penso. Não tem ainda nada fechado. Nosso foco é 2013, mas se surgir a possibilidade de fazer mais provas neste ano logicamente vou querer fazer... É sempre um desafio atrás do outro. O foco agora é a Indy 500, terminar bem até para ter mais chances no futuro. E a seguir avaliar os próximos passos.

TOTALRACE: Mas você tem uma ideia, uma pista que seja, desses próximos passos? O objetivo é a Indy, seguir o caminho do Vitor Meira na Stock ou ainda o que outros brasileiros têm feito, na Nascar?

BIA FIGUEIREDO: O foco é continuar na Indy, até tentar continuar na Andretti num ano inteiro. E vamos agora ter tempo para tentar fazer as negociações mais cedo, para que a gente feche mais cedo esse ano e comece a preparação mais forte para 2013 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias IndyCar
Tipo de artigo Últimas notícias