De volta à Moto2, Granado lembra: "confiei em gente errada"

Campeão do CEV e do Superbike Brasil em 2017, piloto brasileiro fala de expectativas para 2018 ao Motorsport.com

Aos 21 anos, Eric Granado ganhou uma nova chance no Mundial de Motovelocidade. Depois de ter chegado ao paddock mais concorrido do mundo jovem demais e ter tido passagens difíceis pela Moto2 e pela Moto3, o paulista trabalhou duro nos últimos três anos para provar que merecia uma nova chance.

Em 2017, Granado teve sua afirmação. No terceiro ano competindo no Campeonato Europeu de Motovelocidade (o CEV) na categoria Moto2, Eric faturou o título. Enquanto isso, paralelamente no Brasil, ele também foi campeão do Superbike Series em cima do maior piloto brasileiro de motovelocidade na história, Alexandre Barros.

Em entrevista exclusiva ao Motorsport.com, o piloto falou sobre a grande fase que atravessa.

“Estou muito feliz. Estou vivendo o melhor momento da minha carreira e acredito que todo o sacrifício dos últimos anos está dando seus frutos”, iniciou.

Granado conseguiu os títulos em semanas seguidas. Há duas, ele venceu e se tornou campeão europeu de Moto2 em Valência, na Espanha. No último domingo, em Interlagos, ele se tornou o campeão brasileiro de Superbike também após uma vitória.

“Foi demais. O Alex (Barros) tem muita experiência e sempre tem algo para ensinar. Ele é e sempre foi meu ídolo. Acredito que a volta dele este ano ajudou muito o campeonato a crescer e os pilotos também.”

“(No CEV) em 2016 nós já estávamos rápidos, mas faltaram alguns detalhes para que pudéssemos brigar diretamente pelo título. Em 2017, afinamos todos os pontos que acreditávamos que seriam importantes.”

“Pontuamos em todas as corridas, e isso foi fundamental. Aprendi a ter paciência e ser mais inteligente em cima da moto. Quando não dava para ganhar, fazíamos segundo ou terceiro, mas sempre estávamos pontuando e pensando no campeonato.”

 

Em 2018, Eric retorna para onde chegou em 2012: o mundial de Moto2. Na época com 15 para 16 anos, ele admite que subestimou o desafio técnico e físico da principal categoria de acesso à MotoGP

“Eu entrei muito novo no mundial, isso é fato”, afirmou.

“Mas acredito que isso me fez amadurecer muito e me tornar o piloto que sou hoje. Em 2012, não tinha todo o staff que eu tenho hoje trabalhando junto comigo.”

“(Na época) confiamos nas pessoas erradas e não sabíamos como funcionava este mundo realmente. Hoje vejo as coisas de uma outra maneira e sei lidar melhor com as situações que aparecem na minha frente.”

Por fim, feliz com o progresso dos últimos anos, Granado prefere não criar metas para si em sua segunda entrada no mundial.

“Não quero colocar expectativas de resultado, no momento não sei onde realmente posso estar”, disse.

“Eu sempre quero vencer, isso é algo que levo dentro de mim. Mas tenho que ter o pé no chão e ir aos poucos crescendo durante o campeonato. Acredito que estar no top-15 seria um ótimo resultado, mas isso só veremos e saberemos quando o campeonato começar.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Moto2
Pilotos Eric Granado
Tipo de artigo Entrevista