Barros prevê ano tenso na MotoGP: “já começou errado”

Dono de sete vitórias no mundial, ex-piloto brasileiro comenta com exclusividade abertura da MotoGP e aposta em grande temporada

A guerra de palavras entre Valentino Rossi e seu companheiro de equipe na Yamaha, Jorge Lorenzo, deu o tom do início da MotoGP em 2016. O piloto italiano, aborrecido com a perda do título do ano passado após um suposto complô entre Lorenzo e Marquez nas provas finais, não perdoou o parceiro durante nenhum momento durante o último final de semana.

Ao Motorsport.com, Alexandre Barros, dono de sete vitórias na MotoGP e melhor piloto brasileiro da história do mundial, reprovou a atitude do italiano. Para ele, tudo isso inflamará cada vez mais a temporada deste ano.

“Eu nunca fui de discutir fora da pista, nunca entrei em polêmica”, iniciou.

“Sempre gostei mais de buscar resultados do que de ficar falando. A imprensa adora esse tipo de coisa, é um prato cheio. Mas acho desnecessário começar dessa forma.”

“Obviamente tem muita pressão. O Valentino renovou o contrato, o Lorenzo não. Aí perguntam: ‘como que o campeão do mundo não assinou o contrato?’ Aí começa o Lorenzo: ‘ele não tinha mais nenhuma opção’, aí Rossi manda resposta atravessada e aí é aquele vai e volta.”

“Cria a rivalidade que a gente viu na pista quando os dois se encontraram e o Valentino reclamou. Já começou errado neste sentido”, disse o paulista de 45 anos se referindo ao encontro de Lorenzo e Rossi durante o TL4 no Catar.

No entanto, apesar da intensa rivalidade entre os protagonistas, Barros crê em uma temporada equilibrada neste ano. “Apesar de tudo, o ano começou excelente.”

“A corrida foi bonita, foi disputada. Eu achava que o Lorenzo teria vantagem mesmo. As Ducatis surpreenderam muito, acho que acertaram a motocicleta. Porque eles estão competindo 100% fábrica neste ano, o que não era o caso até o ano passado. Eles tinham vantagem de pneus e de combustível. Neste ano eles estão iguais ao resto.”

“Vi a Honda com mais dificuldade. O Marquez para conseguir aquele pódio foi no limite do limite. Ele deu tudo para conseguir aquele terceiro lugar. Mas acho que a Honda ainda vai responder. Acho que eles estão um pouco atrasados neste momento em relação à Yamaha e à Ducati. Pelo menos neste início de ano. Mas a Honda é uma fábrica que responde com muita velocidade, sempre foi assim.”

Alexandre terminou apostando que as Ducatis poderão ser a maior surpresa de 2016. “O que parece é que o campeonato deste ano juntou mais os dois pilotos da Ducati. Tínhamos só aquele quarteto, mas agora as Ducatis vêm muito forte. Até as satélites podem dar trabalho, a Avintia e a Pramac.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias MotoGP
Tipo de artigo Últimas notícias